quarta-feira, 24 de maio de 2017

XANANA | "Não sou um herói, isso é horrível. Fui apenas um instrumento"


Recordando o período difícil da luta pela independência, Xanana Gusmão admite que Timor é hoje um país diferente, apesar de ainda haver muito a fazer para o seu desenvolvimento. Contudo, o caminho está a fazer-se passo a passo e a mensagem que deixa agora ao seu povo é de "esperança, esforço, determinação".

Após anos de luta, Timor-Leste conseguiu finalmente o “direito” pelo qual lutou durante anos: a independência. Estávamos a 20 de maio de 2002, há precisamente 15 anos.

Assolado pelas milícias armadas pró-indonésias desde 1975, Timor votou em agosto de 1999 pela sua independência e em 2002 viu a ONU a transferir os poderes para as novas autoridades eleitas.

José Alexandre Kay Rala Xanana Gusmão foi o rosto dessa luta e, mais tarde, o primeiro presidente do país. Viu companheiros de guerra morrer, esteve preso, e garante que a morte era para ele “uma certeza”. Apesar disso, desistir nunca foi uma opção até porque “a morte naquele período era o cumprimento do dever”.

Este sábado, Timor une-se para empossar o novo presidente Francisco Guterres Lu-Olo e assinalar o 15.º aniversário da restauração da Independência timorense, um dia que nos é hoje recordado pela voz do próprio ‘Comandante’ Xanana Gusmão, numa entrevista exclusiva ao Notícias ao Minuto.

Comemoram-se os 15 anos da Restauração da Independência de Timor Leste. Que recordações guarda desta luta?

Recordações muitas, demasiadas. Boas e más, claro. Do lado das boas, posso dizer que aprendi muito. Aprendi a persistência deste povo que fez todos os sacrifícios para ser independente. Por outro lado, recordo-me de ter morrido muita gente como produto de uma guerra. É nesse sentido que estamos a incutir em todos os países que haja paz. A guerra é a pior tragédia que pode existir no mundo.

Foram tempos difíceis. Em algum momento achou que os sacrifícios seriam em vão?

Nunca. Nunca na medida em que estávamos convencidos do nosso direito. Durante os 500 anos de ocupação do processo colonial português os nosso ancestrais pediram sempre esforços por aquilo a que tínhamos direito. A nossa história contada pelos velhos foi sempre a lembrar-nos que a terra é nossa. Então, todo o sacrifício é pouco quando se quer alcançar a liberdade, a independência.
'Todo o sacrifício é pouco quando se quer alcançar a liberdade, a independência' 
Falando em sacrifício houve muitas pessoas que morreram durante esta jornada, incluindo companheiros seus. Foi por eles que nunca desistiu?

Quer que lhe conte uma história? Quando comecei a pegar na luta, a viver a luta, houve tempos de muita tristeza porque eramos poucos guerrilheiros e quando chegavam notícias de que estavam a morrer eu não aguentava e chorava. E os outros guerrilheiros que me viam a chorar chegavam ao pé de mim e diziam: ‘Comandante, pare de chorar! Eles já cumpriram o dever, agora tome conta de nós’. Agradeci-lhes porque estavam a lembrar-me de que a morte naquele período era o cumprimento do dever.

Chorava porque tinha perdido amigos e companheiros ou porque também tinha medo de morrer? Alguma vez receou que isso pudesse acontecer?

Todo e qualquer guerrilheiro [pensou isso]. Nenhum de nós estava convencido de que ia sobreviver até ao fim da guerra. Estávamos preparados para morrer logo no dia seguinte. Estávamos em guerra, o inimigo era poderoso e superior em número e equipamento. Estávamos preparados para morrer a qualquer momento. De forma que não havia aquele pensamento ‘E pá, um dia vou morrer’. Não se tratava de ‘um dia vou morrer,’ tratava-se de estar preparado porque a qualquer momento podíamos morrer.
'Comandante, pare de chorar! Eles já cumpriram o dever, agora tome conta de nós'
Mas se assim era, significa que não tinham esperança de que conseguiriam vencer esta luta?

Não… Eu estava a comandar 1.500 guerrilheiros, com mais de 500 armas, sem munições, claro, e estávamos a morrer em operações. Depois fomos melhorando as nossas táticas e fomos recuperando alguma coisa mas mais para sobrevivência da luta armada. Enquanto isso, íamos reforçando a frente política que era conhecida por ser uma organização clandestina, pela participação das populações na Frente Clandestina.

Após, um certo tempo reparámos que a guerra não ia ser vencida pelo poderio militar, pela força das armas. A guerra seria vencida pelo aspeto político de resistência de toda a população e, claro está, indubitavelmente, pelo aspeto diplomático em termos de reconhecimento dos nossos esforços por parte da comunidade internacional. E foi o que aconteceu.

A vitória soube ainda melhor, tendo em conta que não esperava que fosse possível?

Eu não diria que não estávamos à espera que não acontecesse. A questão era, apenas, de tempo.

Foi quem liderou esta luta e um dos seus principais protagonistas. Considera-se um herói nacional?

Essa é a coisa mais horrível que poderia escolher. Apenas tive uma oportunidade de orientar o esforço e esta intenção do nosso povo de se libertar. Fui apenas um instrumento. Se é uma condutora, sabe que o que leva os passageiros é o carro, não é a condutora.
'Aliança com Portugal é eterna, estratégica e sublime'
Na altura, gerou-se uma onda de solidariedade, em que Portugal desempenhou um papel relevante na obtenção deste estatuto por parte dos timorenses. Essa aliança é ainda patente nos dias de hoje?

Com certeza. Eu diria que uma aliança deste género é eterna, estratégica e sublime porque não se colocam aqui questões de interesse, mas sim questões de solidariedade humana entre povos. Isso deve permanecer. Claro que a situação atual no mundo tem os seus reflexos, mas este apoio, esta solidariedade veio mesmo em horas mais difíceis. Em 1999, 2000, 2001, 2002 houve portugueses que deixaram as suas casas e vieram com um espírito missionário, um espírito em que não se colocava a questão de ‘quanto vamos ganhar’ mas para sofrer connosco. Vieram para aqui para sentir connosco as dificuldades posteriores, ou seja, a destruição total do país. Agora, [essa aliança] continua num grau já muito mais organizado em termos institucionais. Cada um dos povos tem os seus próprios problemas, mas eu acredito que em momentos difíceis o povo vai comportar-se da mesma forma e com a mesma convicção.

Muita dessa atenção internacional foi conseguida após o massacre de Santa Cruz. Este massacre é uma ferida coletiva que nunca vai sarar?

Se quer que compare, essa ferida é como uma pequena navalha. As feridas maiores aconteceram nos primeiros três anos de guerra, quando se chegou a morrer de bombardeamentos - bombardeamentos de aviões que foram utilizados no Vietname -, de fome, de massacres em maior grau em termos de número, e de aprisionamentos. O Massacre de Santa Cruz teve reflexo especial na medida em que foi denunciado e visto por todo o mundo. Como ferida, houve feridas maiores e nós conseguimos sará-las.
'Ferida do massacre de Santa Cruz é como uma pequena navalha. As feridas maiores aconteceram nos primeiros três anos de guerra'
Em 2002, foi eleito o primeiro presidente de Timor Leste. Como encontrou o país na altura, após tantos anos de luta?

Não encontrei um país. O país estava fisicamente destruído, economicamente estávamos a zero e socialmente estava bastante despedaçado, por causa das consequências pós-conflito. Os primeiros cinco anos – de 2002 a 2007 – foram uma aprendizagem. Uma aprendizagem que é costume, é sempre assim em todos os processos políticos e nós conseguimos ultrapassá-lo, mesmo apesar da nossa situação monetária e de não termos experiência de governação, de nada... Nós estávamos a lutar pela independência mas não nos estávamos a preparar para essa independência. Foi uma situação difícil em que se exigiu muito da nossa parte, para acalmar os ânimos, reduzir as expetativas. Custou mas ultrapassámos.

Ainda hoje se sentem dificuldades e ainda há muito por fazer por Timor-Leste?.

Claro, em 15 anos não se pode esperar que fizéssemos milagres. Roma e Pavia não se fizeram num dia. Já fui a países, sobretudo em África, com já 40, 50 e 60 anos de existência e estão em piores condições do que nós. O que estamos a fazer aqui não é algo de especial, mas nós temos um plano para um crescimento gradual até 2030. Claro que estamos a cumprir cada compêndio das prioridades traçadas e é óbvio que tudo merece ser depois revisto, mas estamos a andar.

Agora definimos como prioridades do país a construção de infra-estruturas básicas: pontes, portos, aeroportos, a água… Eletricidade já temos em todo o país. Só que ainda estamos no processo de ver que tipo de prioridades podem ser realizadas nestes anos para que criemos condições para ativarmos outros assuntos. No início toda a gente esperava que fizéssemos milagres mas hoje, claro que há muito que fazer, mas estamos a trabalhar com muito orgulho e posso dizer, com um certo realismo, que estamos num bom caminho.

O apoio internacional que Timor Leste recebeu na altura desvaneceu depressa demais após a declaração da independência ou continuam a receber essa ajuda?

Esta é uma questão muito difícil. Em termos comparativos, desde fins de 1999 até agora, a ajuda internacional foi de mais de 8 mil milhões de dólares. Metade desse valor foi usado para pagar às pessoas das instituições internacionais, como das operações de paz, que vieram aqui para ajudar. Portanto, não teve muito efeito.

Nós, por capacidade de decisão do nosso primeiro governo, criámos a nossa própria reserva petrolífera, que, não sendo grande, nos tem permitido colmatar as nossas necessidades anuais. Estamos mais dependentes de nós mesmos.

Toma posse, este fim de semana, o novo presidente timorense, Francisco Guterres Lu-Olo. O que é que Timor pode esperar desta nova liderança?

O sistema é idêntico ao sistema português. O presidente da República é o presidente da República. Em junho vão começar as campanhas, a 22 de julho começam as eleições [legislativas] para um mandato de cinco anos. E esta pergunta talvez se aplique mais para o novo governo, pergunta à qual só poderemos responder depois.
'O problema é que toda a gente aqui me chama de ‘Avô Xanana’, mesmo os mais velhos. Ou seja, a minha família é grande'
Em 2016, foi acusado de estar a usar o poder em proveito próprio e da sua família [acusações são de Matan Ruak, presidente timorense]. Como reage a estas acusações?

Estou aberto a qualquer investigação. O problema é que toda a gente aqui me chama de ‘Avô Xanana’, mesmo os mais velhos. Ou seja, a minha família é grande.

Acha que estas acusações são mais o resultado de um conflito político?

Como jurista, as acusações fundamentadas devem seguir um procedimento normal e ser levadas ao Ministério Público e posteriormente ao tribunal, dizendo se vai ou não para a prisão.

A poesia tem sido uma das suas paixões e escreveu vários poemas sobre a luta de Timor e do seu povo. Se fosse hoje, sobre o que escreveria?

Esperança, esforço, determinação. Coisas mais positivas, a pedir um maior compromisso por parte de cada cidadão, sobretudo dos jovens, e incutir a esperança no coração e nas mentes porque é preciso perceber-se que processos assim - sociais, económicos, políticos - levam o seu tempo

Andrea Pinto | Notícias ao Minuto | Foto: Reuters

PORTUGAL - TIMOR-LESTE | Clube dos Pensadores recebe José Ramos-Horta

José Ramos-Horta vai estar presente no Clube dos Pensadores, no dia 1 de Junho (quinta-feira), pelas 21h30, no Hotel Holiday Inn, em Vila Nova de Gaia.

O Clube dos Pensadores no seu 116.º debate, ao fim de 11 anos consegue o desígnio de ter uma figura de nível internacional nascido num país irmão – Timor-Leste.

José Ramos-Horta, Prémio Nobel da Paz, notabilizou-se pelo contínuo esforço para terminar com a opressão vigente em Timor-Leste levando o seu país à independência.

Foi ministro dos Negócios Estrangeiros de Timor-Leste desde a independência, em 2002. Mais tarde, Presidente da República de Timor-Leste entre 2007 e 2012.

No dia 20 de Maio fez 15 anos que Timor-Leste se tornou independente e terminou com a ocupação Indonésia, iniciada em 1975, assim como, com os conflitos entre timorenses nacionalistas e outros ligados à Indonésia.

O petróleo e o gás estão perto do esgotamento em Timor e a produção de café é escassa. O desemprego ameaça a população, metade da qual é constituída por jovens abaixo dos 17 anos.

Os próximos tempos não serão nada fáceis para os timorenses. Portugal não pode esquecer a sua antiga colónia, que ajudou a libertar da opressão Indonésia. O turismo poderá revelar-se uma boa aposta.

“Nos últimos anos tem-se falado pouco, entre nós, de Timor-Leste. Será uma oportunidade para se falar das relações entre Portugal e Timor-Leste, o momento político actual em Timor-Leste, recentemente houve eleições presidenciais em que foi eleito o novo presidente Francisco Guterres Lu-Olo”, assinala Joaquim Jorge, fundador do Clube dos Pensadores.

O Clube dos Pensadores já recebeu o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa; o primeiro-ministro, António Costa; o líder da oposição Pedro Passos Coelho; a líder do CDS, Assunção Cristas; a líder do BE, Catarina Martins o secretário-geral do PCP Jerónimo de Sousa; entre outros.

Sempre que surja uma oportunidade tentará ter presente personalidades dos países lusófonos: Brasil, Cabo-Verde, Guiné-Bissau, Angola e Moçambique.

Taur Sai Rival Foun Ba Xanana-Alkatiri Elpar 2017

DILI – Oras nee Eis Prezidente Republika, Taur Matan Ruak iha ona nia partidu, mak Partidu Libertasaun Popular (PLP) no nia (Taur) duni, mak sai Prezidente PLP atu kompete iha Eleisaun Parlamentar (Elpar) 2017.

Tuir Observador Politika-UNTL, Victor Soares hatete, agora partidu sira barbarak nee ema lahare liu ba planu no programa, maibe ema haree liu ba figura.

Partidu CNRT figura Xanana no Partidu Fretilin figura Alkatiri, Taur sai rival foun ba partidu boot rua nee iha eleisaun parlamentar,” dehan Victor ba Diariu STL iha nia knar fatin Kampus Lama-UNTL, Caicoli-Dili, Tersa (23/05/2017).

Observador Politika nee haktuir, razaun Taur sai realidade foun tanba durante Taur nia mandate hanesan Prezidente Republika konsege vizita suku 442 iha teritoria Timor laran tomak. Nia salenta, rivalidade husi figura tolu nee sei lafoimpaktu negative stabilidade ba seguransa rai laran liliu militante sira husi partidu politik tolu hanesan Fretilin, CNRT no PLP.

Iha fatin ketak, Reprezentante Programa Ofiser AJAR, Inocencio Xavier esplika, wainhira akontese isu katak Taur Matan Ruak nia partidu mak PLP. Entaun iha nee orgaun soberanu haat nee lao komesa ladun diak ona, hahu husi diskursu estadu nian iha PN indika familia Xanana no Mari kaer projetu boot. Raimundo S. Fraga

Suara Timor Lorosae

Governu Presija Muda Lei Salariu Minimu

DILI - Reprejentante juventude husi Suku Comoro sujere ba governu liu husi Sekertariu Estadu para Politiku Formasaun Profesional Empregu (SEPFOPE), presija muda lei salariu minimu neebe governu implementa laiha benefisiu ba povu.

Lia fuan hirak nee hatoo husi Abrao Francisco da Costa ba STL iha sede Suku Komoro Segunda, (22/05/2017). Nia hatutan tan katak, salariu minimu nebe governu implementa iha instituisaun no ba empreja sira nebe ho montante osan $ 1.15 lafo benefisiu diak ba povu. Tamba nee presija halo mudansa atu ema hotu bele hetan benefisiu.

Tuir hau nia hare katak Salariu minimu nebe governu liu husi Sefope implementa $ 1.15 nee lafo benefisiu ba povu kikoan sira. Tamba realidade nebe maka iha oras nee dadaun vida moris karun liu tamba nee maka salariu minimu nee ladun sufsiente, tamba nee maka husu ba governu atu hasae salariu minimu $ 115 sai ba $150 atu nunee it abele muda ita nia moris lor-loron,” nia dehan.

Iha fatin neebe lahanesan Sekertariu Jeral Konfederasaun Sindikatu Timor Leste (KSTL) Jose Conceicao da Costa hateten los duni katak salariu minimu neebe governu implementa iha instituisaun estadu no instituisaun seluk $ 115 nee ladun fo benefisiu ba trabalhadores sira Timor oan nebe mak servisu iha Timor.

Reprejentante Igreja Katolika husi Madre Canociana Me. Guilhermina Marcal reforsa tan katak, salariu minimu neebe governu implementa nee, tamba hare ba realidade real neebe iha. Justinho Manuel

Suara Timor Lorosae

Pe. Martinho Gusmao, Elpar Hili Partidu Kualidade

DILI – Prezidente Republika sesante, Taur Matan Ruak dekreta ona eleisaun Parlamentar (Elpar), 22 Julho hodi hili reprezentante povu iha uma fukun Parlamentar Nasional ba period 2017-2022 husi partidu 30 resin, tamba nee husu ba votantes sira hili partidu neebe mak kualidade.

Deklarasaun nee, fo sai husi Pe. Martinho Gusmao ba STL, iha rezidensia Episkopal Dioseze DILI, ba STL, iha Lecidere, Sesta (19/05/2017). Tuir Pe. Martinho Gusmao katak lei la koalia barak kona ba kriteria 3% ka 4% tamba buat ida parpol nee partidu politiku, agora lei labele koalia kona ba kriteria tamba Timor nee hot-hotu iha ninia kualidade no povu mak hili no la iha kualidade lalika iha partidu.

Tamba nee, Parlamentu Nasional depende ba parpol se partidu 30 resin hare ba hot-hotu la iha kualidade lalika hili mas hot-hotu neebe mak la iha kualidade no balun iha kualidade laos partidu hot-hotu iha obrigasaun hodi sansaun ba ema neebe mak la hili, tamba iha konstituisaun hateten katak sufrajiu nee direitu siviku katak hau ba vota bele la vota mos la iha problema no la iha sasan ba ida nee,” dehan Pe. Martinho.

Pe. Martinho mos subilina, bareira 4% depende ba nasaun ida ida-idak no balun too iha 5 %, no hanesan iha Brazil kompletamente koa bareira eleitoral 0, Indonesia inklui mundu sei debate laos problema tamba nee Parlamentu Nasional tau 3% no 4% maibe depende ba partidu sira mak negosiu ninia persentajen.

Iha fatin ketak, tuir konseleiru ba Partidu PLP, Custodio Belo alias Alin Laek katak kona ba bareira 3 no 4% ba PLP la iha problema tamba kuandu lei ona ita tenke halo tuir tamba nee fila fali ba partidu ida-idak mak atu serbisu makaas atu konviense povu hodi bele liu bareira liu 4% no atu tur iha PN. Tamba nee, husu ba partidu kiik no boot, tuan no foun labele tau kestaun ida nee maibe presiza serbisu makaas entermus kualidade totalidade serbisu parpol nian.

Nia hatutan, kuandu PLP mak ukun PLP sei bolu ema matenek sira seluk hodi bele serbisu hamtuk hodi hasai povu husi kiak n mukit. Tamba nee, em termus 500 I tal kompostu husi s1, s2 no s3. Tamba nee, husu ba populasaun Timor laran tomak hodi vota ba PLP atu bele adia povu nia moris no PLP mos la sai inimigu maibe hare malu hanesan maun alin hodi faan programa.   Domingos da Piedade Freitas

Suara Timor Lorosae

Prezidente Eleitu Lu-Olo Maka Povu fo Fiar

DILI - Reprejentante Komunidade Suku Komoro fiar ba Prezidente eleitu Francisco Guterres Lu-Olo, neebe povu rasik hili liu husi eleisaun prezidente iha Marsu liu ba, maibe ho esperansa katak nia sei halo buat ruma ba povu durante nia mandatu remata tinan lima.

Lia fuan hirak nee hato husi Abel P. Pereira Belo ba STL iha Sede Suku Komoro Dili Tersa, (23/05/2017). Nia hatuir tan katak, povu fo ona fiar ba prezidente foun Lu-Olo maibe prezidente tenki servisu makas no povu mos iha kontribuisaun masimu ba programa sira nebe prezidente iha durante nia mandate tinan lima nia laran.

Hau nudar povu babain hau fiar no iha esperansa duni ba senhor Lu-Olo nudar prezidente eleitu liu husi elisaun prezidensial. Ami hili tamba ami fo fiar ba nia atu bele lori povu nia aspirasaun ba governu liu husi dejenvolvimentu sira nebe maka iha oras nee dadaun. Parte seluk maka husu atu hare didiak konaba pensaun vitalisa no lei rai ninian nebe oras nee sai polimika tebes,” nia dehan.

Iha fatin ketak, Xefe Suku Kampo Alor Postu Administrativu Don Aleixo Alcina Carvalho dos Santos reforsa, nudar lideransa komunitaria suku hamutuk xefe aldeia, reprejentante juventude feto no mane, lia nain no delegada, delegadu kontente teb-tebes tamba Prezidente Republika neebe agora kaer ona pasta ba prezidente republika Timor.

Xefe Suku Bidau Sentana, Joao Paulo S. de Andrade, husu ba Prezidente foun atu servisu ho responsabilidade. Nunee mos iha esperansa katak nia sei bele muda buat balun iha nia mandatu tinan lima nia laran. Tamba nia ema ida nebe iha esperensia barak ona durante tinan lima lidera parlamentu nasional. Justinho Manuel

Suara Timor Lorosae

Tinan ne'e migrante rihun 60 to'o ona iha Europa no rejista ona na'in 1.300 mate

Migrante no potensial refujiadu sira ne'ebé to'o ona iha 2017 iha Europa liuhosi Mediteráneu to'o ona ema na'in 60.000, entre sira maka rejista ona na'in 1.300 mate, fó sai hosi Organizasaun Internasional ba Migrasaun sira (IOM) iha loron-tersa ne'e.

Sira ne'ebé mate hanesan konta hosi 01 Janeiru to'o 22 Maiu, espesifika hosi komunikadu hosi ajénsia ONU nian.

Mate sira ne'e barak liu akontese iha Mediteráneu sentral, ne'ebé halibur norte Áfrika ho Itália no konsidera agora daudaun hanesan dalan perigozu liu iha mundu.

Entre na'in 59.153 ne'ebé to'o hosi Mediteráneu iha tinan 2017, na'in 50.041 relasionadu ho Itália, situasaun ne'ebé la hanesan ho rejistu iha 2016, bainhira Grésia simu refujiadu barak ne'ebé to'o.

Entre fulan-Janeiru no fulan-Maiu 2016, to'o ona iha Europa migrante na'in 190.977, ho na'in 156.000 diriji ba Grésia no na'in 33.000 ba Itália.

Maski hosi númeru total sira migrante nian ne'ebé iha tinan 2017 konsege to'o iha kontinente europeu ki'ik hosi númeru ne'ebé rejista iha tinan liubá, total hosi sira ne'ebé mate iha períudu rua ne'e hanesan.

Tuir IOM, iha 2016 mate ona pelumenus migrante na'in 1.381 bainhira tenta atravesa Mediteráneu, bainhira iha 2017 iha ona ema na'in 1.340 mate tanba mout ka tanba kauza sira seluk ne'ebé hanesan.

Númeru hosi mate-isin sira ne'ebé rekuperadu iha tasi laran interior iha tinan 2017 aumenta ba na'in 226.

Grupu migratóriu aumenta maka'as iha semana ikus ne'e iha Mediteráneu tanba kondisaun atmosfériku sira ne'ebé di'ak.

Iha findesemana liubá, Guarda kosteira italianu salva ona migrante rihun haat resin, haktuir hosi ajénsia ONU.

SAPO TL ho Lusa | Foto@ Orestis Panagiotou /EPA

PM británika kondena "asaun teror" hosi atentadu iha Manchester hasoru labarik no joven sira

Iha loron-tersa ne'e, primeira-ministra británika, Theresa May, kondena ona atentadu ne'ebé akontese iha konsertu ida nia rohan iha Manchester hanesan "asaun teror prejudisial" ida tanba hasoru joven no labarik sira.

Nia subliña katak "atake terorista tomak hanesan devastador", May konsidera ona katak ne'e destaka "tanba asaun teror prejudisial ne'ebé halo hosi ema ida hasoru joven sira no labarik sira", May hatete iha deklarasaun ba nasaun iha Londres.

Suspensa kampaña ba lejislativu antesipadu

Kampaña ba lejislativu sira ne'ebé antesipadu iha Reinu Unidu, ba loron 08 Juñu, hetan suspensu hafoin explozaun ida iha loron-segunda ne'ebé halo ona pelumenus ema na'in 22 mate no na'in 59 kanek iha konsertu ida nia rohan iha Manchester.

Explozaun, ne'ebé akontese iha tuku 22:45 (oras lokal) loron-segunda iha Arena Manchester nian, iha konsertu nia rohan hosi kantora norte-amerikana Ariana Grande, polísia sira investiga hela hanesan "insidente ida terorizmu nian".

Primeira-ministra británika, Theresa May, kansela ona asaun sira kampaña nian ne'ebé maka ajenda ba loron-tersa ne'e.

Theresa May prezidi iha loron-tersa dadeer ne'e reuniaun ida hosi Komisaun Kobra, ne'ebé asionadu iha situasaun sira krizi nian no inklui reprezentante sira hosi forsa polísia sira no autoridade sira seluk.

Líder hosi liberal demokrátiku britániku sira, Tim Farron, kansela ona vizita ida kampaña ba Gibraltar tanba explozaun ne'ebé tuir polísia katak hanesan atake terorista ida.

Arena nia kapasidade maka simu ema rihun 21 no iha resintu nakonu ho joven no adolesente sira hodi asisti konsertu hosi kantora Ariana Grande.

Polísia Manchester nian informa ona katak serbisu hela ho ajénsia britániku sira seluk ne'ebé espesializadu iha kombate hasoru terorizmu.

Lusa | SAPO TL 

Antes Implementa ODS TL Iha Ona PEDN

DILI (TATOLI) - Premiandu Novel ba Pás, José Ramos Horta konsidera Objetivu Dezenvolvimentu sustentavel (ODS) hanesan buat mamuk ida ne’ebé foin adopta, maibé antes ne’e Timor-Leste (TL) iha ona Planu Estratejiku Dezenvovimentu Nasionál (PEDN), atu halakon kiak.

“Timor la’ós atu hein fali buat ne’ebé halo iha Nasaun Unida, tanba planu estratéjiku iha ninia konsultasaun ba Timor laran tomak ho ninia implementasaun iha tinan 2011 to’o remata iha tinan 2030,” José Ramos Horta fó sai nia komentariu iha enkotru nasaun parseiru ODS iha Centru Convensaun Dili (CCD), horseik.

Eis Prezidente Republika ne’e dehan PEDN iha nia implementasaun hahú iha tinan 2011, antes ODS.

Hatudu katak Timor la’ós atu hein fali buat ne’ebé halo iha Nasaun Unida, tanba planu estratéjiku iha ninia konsultasaun ba Timor laran tomak ho ninia implementasaun iha tinan 2011 to’o remata iha tinan 2030.

Ho objektivu ida atu halo balansu ba dezenvovimentu nasaun hotu-hotu iha ninia estratéjia no la bazeia ba ODS.

Balansu ba ida ne’e la’ós ODS ne’ebé foin hahú. Maibé kada nasaun halo buat ne’ebé sira bele no hakarak. ODS ne’e hanesan mehi ida la’ós obrigatóriu ba nasaun sira, maibé Timór iha ona nia PEDN.

PEDN nia targetu tinan 2011 to’o iha tinan 2030 laiha ona ki’ak no analfabetu iha Timor-Leste. Maski iha implementasaun buat barak mak Governu konsege hala’o, maibé iha balun mós seidauk bele implementa.

Kompara ho ba ODS hanesan fó komentáriu ba buat mamuk ida ne’ebé foin adopta.

Jornalista: Maria Auxiliadora | Editór: Manuel Pinto

Foto: Premiandu Novel ba Pás, José Ramos Horta

António Ema Portugés Maibé ‘Fuan’ Timoroan

DILI, (TATOLI) – António F. D. Cabral ema portugés maibé ‘fuan’ nu’udar timoroan tanba la-kolen ho espiritu luta maka’as, hatudu vontade no kompromisu liberta Timor-Leste hosi okupasaun koloniál.

Situasaun difísil, natureza burokrasia ne’ebé komplikadu, belun ida ba povu timoroan, António Cabral, koko ho nia kbiit rasik organiza ema wa’in iha Estadu Machachuset hodi matan la ‘dukur’ba Timor nia terus.

“Nia apoiu Timor maka’as, preokupadu ho Timor-Leste, nia mesak mobiliza ema barak, Senadór Ther Kenedy, kongresista oin-oin, ema barak iha Estadu Machachuset nia mak mobiliza”, haktuir diplomata seniór, José Ramos Horta perante profosionál sira hafoin serimónia entrega Grande Colar ba António Cabral, ema portugés ne’ebé nia jornada moris hala’o iha Estadu Unidu Amérika (EUA).

Tanba kontribuisaun ba kauza Timor-Leste nian ne’ebé la sura loron no kalan, hafoin tinan 15 restaurasaun Indepedénsia povu Maubere nian, ikus mai Timor-Leste sura mós nia dedikasaun ba rai ida ne’e.

Maske iha prosesu luta, belun ida ba timoroan hotu, António Cabral, ran portugés husi nasaun belun CPLP (Comunidade dos Países da Língua Portuguesa) ne’e la ‘espera’ rekoñesimentu ruma maibé importante mak indepedénsia totál ba Timor-Leste.

“Nia ema ne’ebé di’ak tebes, kontribuisaun mai Timor-Leste besik tinan 27, momentu nia tama kongresu iha Estadu Machachuset nia preokupadu ona ho Timor-Leste”, apresia lider diplomátiku timoroan, José Ramos Horta.

Iha situasaun ida ne’ebé imposível katak bainhira hahú nia luta hodi kontribui ba Timor-Leste iha okupasaun Indonézia nian, ho nia espiritu patriótiku maske nu’udar ema portugés nia hahú halibur Amerikanu sira biar hahú ho ema oituan.

“Uluk ha’u ba iha ne’eba, molok ha’u koñese nia marka reuniaun ho ema oituan maibé neneik kazu Timor-Leste nian sai boot loos”, realsa tan eis-prezidente Repúblika ne’e.

Rezultadu husi esforsu ne’ebé António Cabral, ikus mai lori “Luz Verde” ida ba nia esperansa no esperansa koletiva husi sira ne’ebé hamriik firmw ida hamutuk ho nia iha Amérika hodi luta hasoru Indonézia atu nakfilak provínsia Timor-Timur sai estadu no nasaun soberanu ida iha mundu.

“Sira konsege hatama lei iha parlamentu Estadu Machachucet nian atu proibe (bandu) kompañia Amerikanu iha Estadu Machachuset labele halo investimentu iha Indonézia”, reforsa tan lider timoroan ne’e.

Eis-diplomata, José Ramos Horta hateten, Estadu Machachuset hanesan Estadu iha Amerika liberal tebes no sira hatama lei ida atu halo sansaun ekonómika Estadu nian maske governu federal la-konkorda maibé sira halo.

“Luta ne’e difísil loos maibé estadu ne’e liberal no estadu prestíziu boot tanba universidade no família Jhon Kenedy mós iha ne’ebá”, konklui.

Jornalista: Zezito da Silva | Editora: Rita Almeida

Fotos: 1 - Kondekoradu, António F. D. Cabral. Foto António Gonçalves; 2 - José Ramos Horta bainhira dadalia ho jornalista sira iha Palásiu Governu, ohin. Foto António Goncalves

DÍLI | MP pede prisão efetiva para jornalista acusado de denúncia caluniosa ao PM

Raimundo Oki
Díli, 19 mai (Lusa) - O Ministério Público timorense pediu uma pena de um ano de prisão efetiva para um jornalista timorense julgado, juntamente com o seu antigo editor, pelo crime de "denúncia caluniosa" relacionada com um artigo que visava o atual primeiro-ministro.

Nas alegações finais do caso, no Tribunal de Díli, os procuradores pediram ainda uma pena de prisão de um ano, suspensa por dois anos, para o ex-editor do jornal Timor Post Lourenço Martins.

Os dois jornalistas foram acusados com base no artigo 285 do Código Penal timorense, que prevê pena de prisão até três anos e multa para quem "por qualquer meio, perante autoridade ou publicamente, com a consciência da falsidade da imputação, denunciar ou lançar sobre determinada pessoa a suspeita da prática de um crime, com a intenção de que contra ela se instaure procedimento criminal".

O processo refere-se a um caso que começou com a publicação, a 10 de novembro, de um artigo no diário Timor Post intitulado: "Suspeitas de que um ex-assessor do Ministério das Finanças (MdF) entregou um projeto a uma empresa indonésia".

Este artigo incluía erros factuais, incluindo o nome errado da empresa, e outros aspetos que foram corrigidos no dia seguinte pelo jornal.

Em declarações à Lusa, Oki insistiu na sua inocência, declarando-se preparado para cumprir qualquer decisão do tribunal e afirmando, antes da leitura da sentença prevista para 01 de junho, que neste momento não pensa em recorrer.

"Todos os cidadãos somos iguais perante a lei. Por isso qualquer decisão do Tribunal, eu pessoalmente e como jornalista vou cumprir. Eu próprio não quero fazer recurso. É melhor cumprir", disse.

Considerando que a responsabilidade pelo artigo não recai apenas em si, mas também nos seus superiores no jornal que a publicaram, Oki diz que tentou por várias vezes, sem êxito obter uma reação do primeiro-ministro, Rui Araújo.

Apesar de admitir "erro" no nome da empresa indicada no artigo, mantém que "hoje voltaria a escrever a notícia".

Instado pela Lusa a comentar o pedido de prisão da procuradoria, o primeiro-ministro Rui Araújo disse à Lusa que "se fosse juiz não aplicaria uma pena dessas", remetendo no entanto para os magistrados deliberar na sentença.

O governante recordou que "a denúncia caluniosa é um crime público e quem tem o dever de trabalhar para que a justiça seja feita é o Ministério Público" não pode como lesado "dizer simplesmente retirem o caso".

"Da minha parte, como lesado, o que pretende apenas é fazer ver às pessoas, particularmente aos colegas jornalistas que têm que assumir a responsabilidade quando escrevem coisas", afirmou.

Na acusação, o Ministério Público considera que Raimundos Oki "depois de obter a referida informação, não verificou a verdade dessa informação e nem a confrontou com o lesado, a fim de obter a sua versão dos factos".

"Fê-lo no intuito de atingir a honra, o bom nome e a reputação devidas ao lesado Rui de Araújo, bem sabendo que tais direitos são constitucionalmente protegidos e que a notícia não correspondia à verdade", refere o texto.

Também o editor do jornal Lourenço Martins "não mandou previamente averiguar a veracidade e a autenticidade das informações publicadas" tendo apesar disso autorizado a sua publicação.

A acusação considera que os dois arguidos "sabiam que a notícia era falsa" e que com a publicação "o lesado seria sujeito a um processo de investigação criminal, por suspeita da prática de crimes no exercício de funções públicas".

O caso tem suscitado apelos de várias organizações internacionais de jornalismo para que o primeiro-ministro timorense, Rui Maria de Araújo, retire o processo contra os jornalistas.

Em resposta, numa carta às organizações internacionais, Rui Araújo disse que não troca liberdade de imprensa por "irresponsabilidade de imprensa" e que lhe é impossível intervir no gabinete do procurador para decidir se avança ou não a queixa.

ASP // ANP

POR TIMOR | “Uma das mais belas páginas de sempre do jornalismo português”

“Em Timor ... jornalistas portugueses cumpriram o sagrado dever que é o de emprestar a voz a quem não tem voz ...” (Adelino Gomes).

Timor-Leste sempre reconheceu o papel decisivo que a imprensa teve no longo percurso para a independência e, por esse motivo, foram muitos os jornalistas e órgãos de informação condecorados desde a independência.

No dia 20 de maio do corrente mês, este país comemorou o 15.º aniversário da independência e Francisco Lu-olo Guterres tomou posse como o novo presidente da República. Na semana anterior, o então presidente da República Taur Matan Ruak voltou e relembrar a importância dos jornalistas na denúncia da opressão a que os timorenses estavam sujeitos e condecorou mais alguns jornalistas.

Homenagem a Anabela Góis

Uma das pessoas condecoradas no corrente mês com a “Ordem de Timor” foi Anabela Góis. Esta jornalista, entre as muitas ações em que participou ao serviço da Rádio Renascença, em 1997 entrevistou Xanana Gusmão na cadeia em Cipinang, Indonésia; Acompanhou as negociações Portugal/Indonésia, a preparação do referendo e o recenseamento em 1999; Assistiu à campanha e à consulta popular de 30 de agosto de 1999, assim como presenciou pessoalmente e relatou dia a dia toda a violência que se seguiu à divulgação dos resultados do referendo; Esteve nos campos de refugiados; Assistiu à libertação de Xanana Gusmão em Jakarta; Acompanhou as primeiras eleições de Timor-Leste e assistiu à independência do país em maio de 2002.

Embora esta homenagem seja pessoal, não deixa de representar um reconhecimento e bom exemplo, entre muitos outros, de que jornalismo português se orgulha.

Jornalistas assassinados

O trabalho da imprensa em Timor-Leste, antes da independência, nunca foi fácil, os jornalistas sempre foram personae non gratae e alguns pagaram bem cara a sua missão. Logo de início da ocupação, cinco jornalistas foram assassinados a 16 outubro de 1975 em Balibó (Bobonaro): os australianos Greg Shackleton e Tony Stewart; o neozelandês Gary Cunningham e os britânicos Brian Peters e Malcom Rennie. Adelino Gomes, na altura ao serviço da RTP, esteve com estes jornalistas em Balibó, poucas horas antes de serem assassinados.

Após a consulta popular de 30 agosto de 1999, outros jornalistas perderam a vida, como o timorense Bernardino Guterres, crítico da ocupação que foi assassinado em 26 agosto de 1999 e Sander Thoens, correspondente do Jornal Financial Times, abatido a tiro em Becora em 22 setembro 1999 quando tentava fazer uma reportagem sobre um ataque de milícias. Junto à igreja de Becora há uma placa em sua homenagem e essa rua passou a chamar-se Avenida da Liberdade de Imprensa, uma das maiores avenidas de Dili.

Coragem dos jornalistas portugueses

Durante os ataques e massacres de 1999, os jornalistas que se encontravam em Dili foram aconselhados e ameaçados para que abandonassem o território. A maior parte saiu, mas vários jornalistas portugueses, correndo risco de vida, resistiram às milícias e militares indonésios, não abandonaram a cidade e continuaram junto dos timorenses a reportar o que se passava. Como atrás se viu, com casos de jornalistas assassinados, as ameaças eram bem reais e sérias.

Entre estes jornalistas encontravam-se Hernâni Carvalho, Jorge Araújo, José Vegar e Luciano Alvarez, sobre os quais Adelino Gomes, que também conviveu com o risco de vida, mencionou na sessão de apresentação do livro “Timor - O Insuportável Ruído das Lágrimas”, Campo das Letras, Porto, 2000: Em Timor-Leste os “jornalistas portugueses cumpriram o sagrado dever que é o de emprestar a voz a quem não tem voz ... Eles foram os protagonistas de uma das mais belas páginas de sempre do jornalismo português.”

João Luís Gonçalves | Diário de Notícias (Funchal)

Ataúro bate o recorde. É a maior área marítima de biodiversidade do mundo

O jornal britânico The Guardian, num estudo feito pela Conservation International, revela que as águas em torno da Ilha de Ataúro, em Timor-Leste, têm a maior biodiversidade do mundo. Os Investigadores, encontraram 642 espécies diferentes nos recifes de coral dessa ilha, mas alertaram que toda esta riqueza está em risco.

A descoberta incide no encontro 314 espécies diferentes — algumas delas poderão ser totalmente novas, e outras são muito raras. Sendo um recorde que constava antes na Papua Nova Guiné, que tinha uma média de 216 espécies em cada local analisado.

Embora a notícia seja boa, os investigadores consideram a existência de ameaças dado que “outros locais mostram, tristemente, as cicatrizes de um legado de pescas com explosivos, e dos surtos de estrelas do mar de coroa-de-espinhos”. Uma conservação organizada e um esforço na gestão das pescas poderá regenerar as partes danificadas dessa biodiversidade.

Existe uma solução: transformar toda a Ilha de Ataúro uma área marítima protegida, e a pesca ser apenas permitida aos habitantes locais. A Conservation International prometeu propor aos organismos competentes de Timor-Leste que a Ilha e as águas se tornem numa região protegida para salvaguardar a sua biodiversidade.

Com o apoio dos habitantes da Ilha de Ataúro e do Ministério da Agricultura e Pescas, a Conservation International irá submeter um pedido para que toda a ilha e as suas águas passem a ser áreas protegidas” – afirmou Trudiann Dale, diretora da organização naquele país lusófono.

Mário Lopes | Conexão Lusófona | Foto: The Guardian

HAKSOLOK | Figueira da Foz envia Ferryboat para Timor-Leste

Na próxima sexta-feira (26 de Maio), pelas 15h00 vai ser lançado à água, na Figueira da Foz, o ferryboat "Haksolok", a primeira embarcação de grandes dimensões a sair dos Estaleiros Navais do Mondego desde que estes foram concessionados à "Atlanticeagle Shipbuilding".

O intuito deste lançamento é melhorar as ligações entre Díli, a capital de Timor-Leste, a ilha de Ataúro e as principais localidades da costa norte do país, isto é, Pante Macassar. 

Uma iniciativa da Autoridade da Região Administrativa Especial de Oé-Cusse Ambeno, enclave da República Democrática de Timor-Leste em território indonésio, realizada através de uma encomenda.

Foz ao Minuto | Foto: Jornal de Negócios.pt

terça-feira, 23 de maio de 2017

Bolseiru iha Cabo‐Verde Hetan Asaltu

DILI: Bolseiru na’in 43 ne'ebé hala’o hela estudu iha rai Áfrika Cabo‐Verde, hetan asaltu husi bandidu iha rai ne’ebá, iha Sábadu (21/5).

Iha akontesimentu ne’e, rezulta bolseiru ida ho naran Acácio sai vítima ne’ebé iha tentasaun husi bandidu sira atu oho nia, maibé la realiza tanba konsege salva‐aan husi ema sira ne’e

Tuir Ministru Edukasaun, António da Conceição konfirma katak, loos duni ministériu simu ona informasaun, maibé imposivel (labele) atu deteta bandidu sira ne’e tanba grupu ne’e eziste barak iha Cabo‐Verde.

“Ha’u fó ona instrusaun ba Diretór Jerál Ministériu Edukasaun, Antonino Pires, to’o iha ne’ebá sei bele ba vizita hodi haree loloos estudante sira nia situasaun”, dehan nia, iha bainhira partisipa misa despedida matebian, Mário Carrascalão, iha Igreja Katedrál, horisehik.

Relasiona ho akontesimentu ne’e, bolseiru timoroan sira iha Cabo‐Verde husu ba ME atu bele buka solusaun ruma hodi estudante sira bele fokus ba estuda.

Maski nune’e, ba situasaun ne’e Governu Timor Leste presiza estuda no avalia, tanba ne’e koperasan bilateral entre governu rai rua.

Ne’e duni, Ministru António prepara ona karta hodi haruka ba Ministériu Edukasaun Cabo‐verde no husu universidade atu haree ba kazu ne’e tanba asaun ruma husi universitáriu.

“Husu mós responsavel universidade ne’e nia atu bele haree tanba konforme ha’u rona universidade ladún hola medida ne'ebé di'ak”, tenik nia.

Nia dehan, fofoun estudante sira tenke atu halo reintegrasaun sosiál ho komunidade iha ne'ebá atu fasil adapta ba situasaun iha fatin ne’ebé bolseiru sira hela ba, maibé infelizmente fatin, fatin ne'ebé sira hela nu’udar problemátiku. Tanba ne’e, bolseiru rasik maka tenke tetu atu muda fatin.

Entretantu, tuir informasaun, ema ne'ebé asaltu bolseiru timoroan ne’e hetan tiru husi polisia parese ema ne’e mate.

Veronica Meles | Independente

MP husu prizaun efetivu ba jornalista akuzadu halo deklarasun falsu ba PM timoroan

Ministériu Públiku timoroan husu ona kastigu ida prizaun efetivu tinan ida ba jornalista timoroan ida ne'ebé julgadu, hamutuk ho nia antidu diretor, tanba krimi halo "deklarasaun falsu" relasionadu ho artigu ida ne'ebé ko'alia kona-ba atual primeiru-ministru.

Iha alegasaun ikus sira hosi kazu, iha Tribunal Díli, prokurador sira husu mós kastigu kadeia tinan ida, suspensa ba tinan rua, ba eis-diretor hosi jornal Timor Post Lourenço Martins.

Jornalista na'in rua hetan akuzasaun ho baze iha artigu 285 hosi Kódigu Penal timoroan nian, ne'ebé hatete kona-ba kastigu to'o tinan tolu no multa ba sé maka "hosi dalan ruma, iha autoridade ka públiku, ho konsiénsia falsu atribuisaun, lansa ka deklara kona-ba suspeita asaun krimi ida hasoru ema balun, ho intensaun atu hamosu prosedimentu kriminal hasoru ema ne'e".

Prosesu refere ba kazu ida ne'ebé hahú ho publikasaun, iha loron 10 Novembru, hosi artigu ida iha diáriu Timor Post ho títulu: "Suspeitu sira katak eis-asesor ida hosi Ministériu Finansa (MdF) entrega ona projetu ida ba empreza indonéziu ida".

Artidu ne'e inklui sala kona-ba faktu sira, inklui naran empreza ne'ebé laloos, no aspetu sira seluk ne'ebé maka koriji tiha hosi jornal iha loron tuirmai.

Iha deklarasaun ba Lusa, Oki insisti iha nia inosénsia, deklara katak prepara hodi kumpri desizaun ruma hosi tribunal no afirma, antes leitura hosi kastigu ne'ebé previstu ba loron 01 Juñu, katak momentu ne'e la hanoin atu apela.

"Sidadaun tomak hanesan iha lei nia oin. Tanba ne'e desizaun ruma hosi Tribunal, ha'u rasik no nu'udar jornalista ha'u sei kumpri. Ha'u rasik sei lakohi halo rekursu. Di'ak liu kumpri", nia hatete.

Konsidera katak responsabilidade ba artigu ne'e la'ós de'it monu ba nia, maibé mós ba nia superior sira iha jornal ne'ebé maka publika ona artigu, Oki hatete katak tenta ona dalabarak, lahó susesu hodi hetan reasaun ida hosi primeiru-ministru Rui Araújo.

Maski admiti "sala" iha naran empreza nian ne'ebé indika iha artigu, mantén katan "ohin loron sei hakerek fali notísia".

Bainhira insisti hosi Lusa hodi komenta pedidu prizaun hosi prokuradoria, primeiru-ministru Rui Araújo hatete ona ba Lusa katak "bainhira juís la aplika kastigu ida hanesan ne'e", nia haruka ba majistradu sira hodi desidi kastigu.

Governante fó hanoin katak "deklarasaun falsu hanesan krimi públiku ida no sé maka iha dever hodi serbisu atu bele iha justisa maka Ministériu Públiku" labele prejudika hodi "hatete de'it katak hasai kazu".

"Hosi ha'u nia parte, hanesan prejudikadu, buat ne'ebé hakarak de'it maka hatudu ba ema sira, liuliu ba belun jornalista sira katak tenki asumi responsabilidade bainhira hakerek artigu sira", nia afirma.

Iha akuzasaun, Ministériu Públiku konsidera katak Raimundos Oki "hafoin hetan tiha informasaun, la verifika lia loos hosi informasaun no la ko'alia ho ema ne'ebé sai prejudikadu, hodi hetan versaun loloos".

"Nia halo hodi atinji onra, naran di'ak no reputasaun sira hosi Rui de Araújo, maski hatene katak direitu sira ne'e hetan protesaun iha Konstituisaun no katak notísia la koresponde ba lia loos", refere hosi testu.

Editor hosi jornal Lourenço Martins mós "la haruka buka lia loos no autentisidade hosi informasaun sira ne'ebé publikadu" no autoriza de'it nia publikasaun.

Akuzasaun konsidera katak arguidu na'in rua "hatene katak notísia ne'e hanesan falsu" no katak ho publikasaun "prejudikadu sei hetan prosesu hosi investigasaun kriminal tanba deskonfia hala'o krimi sira durante kaer knaar iha funsaun públiku".

Kazu ne'e hamosu apelu oioin hosi organizasaun internasional sira jornalizmu nian atu primeiru-ministru timoroan, Rui Maria de Araújo, hodi hasai prosesu hasoru jornalista sira.

Rui Araújo, bainhira hatán, iha karta ba organizasaun internasional sira, hatete katak la troka liberdade imprensa ho "iresponsabilidade hosi imprensa" no nia labele halo parte iha gabinete prokurador nian hodi desidi katak avansa ka la'e ho kesar ne'e.

SAPO TL ho Lusa

ONU haree "ho ksolok no orgullu" ba Timor-Leste

Xefe gabinete hosi sekretáriu-jeral ONU nian, Maria Luiza Ribeiro Viotti, hatete iha loron-sesta katak "hanesan ho ksolok no orgullu maka ONU haree ba Timor-Leste no ba konkista sira povu timoroan nian".

"ONU iha ligasaun metin tebes ba akontesimentu ne'e. Iha dalan naruk ba independénsia, iha prosesu negosial, iha preparasaun no to'o eleisaun sira no iha apoiu ba konstrusaun hosi Estadu demokrátiku foun", explika hosi diplomata brazileira iha komunikadu.

Viotti partisipa iha loron-sábadu ne'e iha serimónia, iha Díli, ne'ebé selebra tinan 15 independénsia nasaun nian, hodi reprezenta ONU.

"Ho ksolok tebes maka ha'u partisipa iha selebrasaun ba restaurasaun independénsia Timor-Leste nian hodi reprezenta Sekretáriu-Jeral ONU nian, António Guterres", nia hatete no hatutan katak portugés senti "besik tebes ho Timor-Leste no hakarak marka prezensa" iha serimónia sira.

"Bainhira kaer knaar nu'udar primeiru-ministru Portugal nian, iha ona knaar desizivu ida iha akontesimentu sira ne'ebé lori to'o restaurasaun independénsia nian. No hanesan ho ksolok tebes haree Timor, iha 2002, fila fali ba moris independente no ba konvíviu hosi Nasaun sira", diplomata ne'e hanoin hikas.

Responsável temi mós Sérgio Vieira de Mello, funsionáriu ONU brazileiru nian ne'ebé mate iha 2003, hamutuk ho ema na'in 21 sira seluk, iha atentadu bombista ida iha sede ONU nian iha Bagdade, Irake, no ne'ebé atua nu'udar negosiador durante prosesu independénsia Timor-Leste nian.

"Ikusmai, ha'u hakarak hanoin hikas knaar hosi ha'u nia kompatriota, Sérgio Vieira de Mello, ne'ebé nia kompromisu no asaun kontribui maka'as ba konstrusaun Timor-Leste nian no ba nia integrasaun tomak ba komunidade internasional", Maria Luiza Ribeiro Viotti hanoin hikas.

Komemorasaun sira ba tinan 15 hosi restaurasaun independénsia timoroan nian, iha loron-sesta kalan no loron-sábadu madrugada, destaka mós ho serimónia simu pose ba Prezidente eleitu, Francisco Guterres Lu-Olo.

SAPO TL ho Lusa | Foto@ António Dasiparu /EPA

Xanana‐Taur ‘Sees‐Malu’ Durante Loron Boot

DILI: Durante loron boot ho selebrasaun importante tolu, tomada de pose Prezidente Repúblika foun, Restaurasaun Independénsia no Inaugurasaun Estátua Proklamadór Francisco Xavier do Amaral, Xanana Gusmão no Taur Matan Ruak sees malu beibeik.

Iha serimónia pose Prezidente Repúblika, Francisco Guterres ‘Lu‐Olo’, Xanana Gusmão la partisipa. Nune’e, iha inaugurasaun estátua Proklamadór Francisco Xavier do Amaral, Taur Matan Ruak mak la hola parte fali. Ne’e duni, durante selebrasaun ne’e lider rezisténsia na’in rua ne’e la hasoru malu.

Tanba ne’e, Xanana Gusmão ne’ebé lori Taur no Lu‐Olo ba Palasiu Ai‐Tarak Laran, la konsege fó agradesimentu ba Taur Matan Ruak no la kongratula mós Francisco Guterres ‘Lu‐Olo’ iha momentu tomada de pose.

Bainhira jornalista sira konfirma auzénsia Xanana Gusmão nian iha serimónia ne’e komisaun organizadora rasik mós laiha informasaun.

“Xanana la mai ne’e, ami la hatene”, dehan Ministru Dionísio Babo Soares, ne’ebé mós nu’udar prezidente komisaun organizadora selebrasaun restaurasaun independénsia ba dala XV no tomada de pose prezidente repúblika foun, iha Tasi Tolu‐Dili, Sábadu (20/5).

Iha fatin hanesan, Prezidente Parlamentu Nasionál (PN), Adérito Hugo da Costa hateten, Xanana hola parte iha serimónia ne’e, maibé públiku mak la haree.

“Xanana mai maibé ita mak la haree, tanba serimónia ne’e nia mak organiza,” Adérito.

Entretantu, tuir observasaun diáriu INDEPENDENTE, serimónia pose partisipa kompletamente husi lider antigu sira, úniku Ministru Planeamentu Investimentu Estratéjiku (MPIA), Kay Rala Xanana Gusmão mak la partisipa.

Nune’e, observasaun ba inaugurasaun Estátua Proklamadór Francisco Xavier do Amaral nian lider antigu sira hanesan Prezidente Repúblika sesante, Taur Matan Ruak, no Eis Prezidente Repúblika, José Ramos Horta mós la partisipa.

Entretantu iha serimónia inaugurasaun Estátua ne’e, partisipa Prezidente Repúblika (PR), Francisco Guterres ‘Lu‐Olo’, Primeiru Ministru (PM), Rui Maria de Araújo, Prezidente Parlamentu Nasionál (PN), Adérito Hugo da Costa, Ministru Konselleiru no Ministru Kay Rala Xanana Gusmão, Majór Jenerál F‐FDTL Lere Anan Timur, Prezidente ZEESM, Mari Alkatiri no Mau‐Huno.

Humberto dos Santos | Independente

Hafoin Simu Pose, ‘Lu‐Olo’ Entrega Medalla Grande Colar ba TMR

DILI: Prezidente Repúblika, Francisco Guterres ‘Lu‐Olo’ ofisialmente simu pose husi Prezidente Parlamentu Nasionál (PPN), Adérito Hugo da Costa hodi troka Xefe Estadu Timor Leste, Taur Matan Ruak.

Hafoin simu pose, PR Lu‐Olo hateten, nu’udar Prezidente Repúblika sei tuir nafatin Konstituisaun RDTL no sei kaer metin Independénsia Nasionál, unidade Estadu nian no funsionamentu Instituisaun ba Estadu Demokrátiku Timor‐Leste nian.

“Nu’udar Prezidente Repúblika ha'u hatete fila fali katak, ita atu fó aan atu fó forsa nafatin ba demokrasia timoroan sira nian ho laran haksolok tebes”, dehan Xefe Estadu foun, hafoin simu pose, iha Tasi Tolu‐Dili, Sábadu (20/5).

Tanba ne’e, nia hateten ho vontade durante tinan sanulu resin‐lima tenke hamutuk nafatin hodi hala’o knaar Prezidente Repúblika Timor Leste, nu'udar país ida ne'ebé demokrasia ne'ebé mundu rekoñese.

PR Lu‐Olo ho laran metin katak, momentu importante ne’e atu lembra saida mak haluha mós tane aas nafatin Estadu demokrátiku ne’e.

“Ha'u fó hanoin ida fali ba liafuan ida dehan katak la'ós sura de'it ninia folin mak fó ba ninia bainhira ninia valór aas, maibé tanba nia hatene moris ho liberdade”, dehan nia.

Tanba ne’e, tenke sukat beibeik mak oinsá mak liberdade moris loro‐loron, fó liman ba malu, hadomi malu, hametin malu ho povu iha rai doben ida ne’e.

Lu‐Olo mós agradese ba povu Timor‐Leste tomak fó kontribuisaun ne'ebé to’o ohin loron atu hametin liután no hein katak husu nafatin fó povu Timor‐Leste atu fó hanoin nafatin atu la’o hamutuk hodi dezenvolve rai ne’e.

Entretantu, iha selebrasaun ne’e, Lu‐Olo hato’o mós mensajen ba povu Timor Leste tomak tenke hametin nafatin pás, liberdade no estabilidade.

Iha serimónia ne’e, Prezidente Repúblika Lu‐Olo mós entrega ofisialmente medalla ho grau grande colar ba Prezidente Repúblika sesante, Taur Matan Ruak.

Humberto dos Santos | Independente

Skill no Espíritu Biznis Dezafiu Ba TL Tama AZEAN

DILI (TATOLI) - Emprezáriu timoroan, Rui Castro hateten ekonomia Timor-Leste (TL) seidauk preparadu atu tama AZEAN (The Association of Southeast Asian Nations) tanba skill, sistema no espíritu biznis timoroan nian seidauk maka´as.

“Preparasaun aspeitu ekonómiku ohin loron iha Timor ne´e ema liur maka domina ho kapitál boot, depois ita nia traballadór nia skill iha ne´e mós limitadu teb-tebes tanba espíritu kompetisaun seidauk maka´as,” Rui dehan ba Ajénsia TATOLI iha Institutu Canossa, Manleuana, Dili, Segunda ne´e, bainhira husu ninia komentáriu kona-ba ekonomia Timor-Leste iha kbiit ona atu bele kompete iha merkadu AZEAN.

Nia haktuir TL seidauk sai membru AZEAN de´it ema invade mai kuaze maka´as. Sé sai tan membru ASEAN ho kondisaun livre ba viajen hotu-hotu, tuir nia, sei sai át liu bainhira TL laiha regulamentu ne´ebé di´ak para fó protesaun ba nia ema sira.

“Agora númeru dezempregu iha ita nia nasaun ás tanba ita fó oportunidade ba ema seluk hodi domina ita iha ekonomia,” Castro informa.

Na´in ba kompañia Ruvic Fuel ne´e hateten sira ne´ebé mai ne´e la´ós investór maibé tanba heta oportunidade partisipa iha kompetisaun tender hosi governu, maibé la halo investimentu riil. Sira ne´ebé halo investimentu ne´e oituan loos.

Durante tinan 15 ne´e, Rui afirma, TL nia orientasaun dezenvolvimentu ne´e la fó prioridade ba ida ne´ebé maka sai objetivu loloos. Lamas ba lamas mai de´it. Loloos ne´e, nia dehan, tenki foku katak sé ko´alia kona-ba agrikultura entaun tenki investe maka´as iha agrikultura no ko´alia kona-ba turizmu nian tenki foku ba iha turizmu.
Jornalista: Xisto Freitas | Editór: Manuel Pinto

Foto: Emprezáriu timoroan, Rui Castro

Kompromisu Estadu mak Dezenvolvimentu ba Povu

DILI, (TATOLI) – Vise Ministru Finansa, Helder Lopes hatete tuir Planu Estratéjiku Dezenvolvimentu Nasionál (PEDN) ba periodu 2015 to’o 2030 mak liberta povu husi kiak no mukit hodi asesu ba dezenvolvimentu.

“Vizaun ita nia planu estratéjiku dezenvolvimentu nasionál ita lakohi ita nia timoroan sira kiak tan, ita hakarak timoroan asesu edukasaun, asesu saude di’ak”, dehan governante ne’e iha ninia aprejentasaun ba konferénsia globál G7+ iha Sentru Konvensaun Dili, segunda (22/5).

Atu atinje mehi ne’e, governante ne’e hatete tenke iha pás no estabilidade, rekursu úmanu sufisiente, servisu administrasaun tenke la’o ho efikasia no efisiénsia, orsamentu estadu sufisiente no seluk tan.

Setór privadu, sosiadade sivíl nu’udar parseiru importante governu nian atu suporta ba implementasaun planu estratejiku dezenvolvimentu nasionál hodi reduz kiak iha rai laran.

“Tenke iha parseiru ho parseiru dezenvolvimentu liliu doadór, setór privadu no sosiedade sivíl, tanba programa barak maka la nesesariu governu tenke tau osan hanesan infraestutura kuandu setór privadu no doadór sira maka hakarak tau osan”, realsa.

Jornalista: Agapito dos Santos | Editora: Rita Almeida

Foto: Ulun boot sira hamutuk ho bainaka hasai foto hamutuk iha konferénsia globál ne'ebé hala'o iha Sentru Konvensaun Dili, ohin. Foto António Goncalves

Eis-xefe Estadu timoroan nian eleitu prezidente ba partidu polítiku foun

Eis-Prezidente timoroan Taur Matan Ruak eleitu opiniaun jeral ba prezidente hosi Partidu Libertasaun Popular (PLP) iha kongresu inaugurasaun hosi forsa polítika ne'ebé harii iha tinan 2015 nia rohan no ne'ebé maka aprezenta ba dala uluk ba eleisaun sira loron 22 Jullu.

Oras balun hafoin hakotu mandatu, Matan Ruak aklamadu iha kongresu PLP nian ne'ebé durante findesemana ne'e hili estrutura sira hosi partidu nian, inklui visi-prezidente na'in neen, Komisaun Jurídiku, Komisaun Fiskalizasaun nian, Ekonomia no Finansa no Komisaun Polítika Nasional.

Taur Matan Ruak nia eleisaun hanesan informasaun ida ne'ebé hetan ona maski halo votu sira, tanba sai hanesan naran úniku ne'ebé aprezenta ba prezidénsia PLP nian ne'ebé hahú iha loron-kinta liubá ho delegadu na'in 1.363 no "fundador rihun 35", hatete hosi Abel da Silva, hosi komisaun organizadora enkontru nian, ba Lusa.

Bainhira hahú, Taur Matan Ruak ne'ebé hanesan mós auzénsia ida ne'ebé evidente tebes no prezensa ida markante tebes - pelumenus iha kamizola sira no iha diskursu sira hosi kongresista sira - iha loron dahuluk hosi Kongresu partidu nian, ne'ebé hatete katak iha baze hosi "prinsípiu justisa sosial ida".

Kuaze diskursu tomak refere ba Taur Matan Ruak, ho militante balun garanti ona katak, hahú loron-sábadu, xefe Estadu no eis-guerilleiru sei komanda partidu, ne'ebé moris ho tema "Hisik Kosar Ba Moris Diak".

Hafoin ne'e maka homenajen boot ho Taur Matan Ruak kaer lideransa partidu nian ne'ebé nia hakarak lori ba votasaun iha lejislativu sira loron 22 Jullu nian.

Ba militante sira, Matan Ruak husik ona diskursu ida hasoru korupsaun, hodi afirma katak osan nunka sosa nia dignidade no mós nia partidu.

"Ha'u nia mehi maka atu terus no matan-been sira hanesan de'it ba ha'u, labele ba ha'u nia oan sira no ha'u nai bei-oan sira", nia hatete no apela atu asaun polítiku defende nafatin dezenvolvimentu hosi sidadaun sira iha prosesu dezenvolvimentu nian.

Responsável hatete ona katak to'o ona tempu atu joven sira kaer knaar ativu ida iha dezenvolvimentu, ho populasaun mantén tolerante kona-ba diferensa sira ne'ebé sosiedade timoroan rasik iha.

Adérito Soares, prezidente interinu hosi PLP to'o kongresu iha findesemana ne'e, hatete ona ba Lusa katak partidu moris hanesan uniaun ida, iha fatin seluk, hosi veteranu sira luta nian no mós hosi grupu intelektual timoroan sira ho tinan entre 30-45, simu formasaun liuliu iha estranjeiru.

"Ami senti otimizmu katak ami sei sai hanesan poder forte ida iha senáriu polítiku Timor nian. Ami sei konta ho imi. Bainhira votu hahú hosi loron ne'e to'o semana ida tuirmai, ami sei konsege iha mínimu fatin 15", nia afirma.

Hetan fatin 15 iha parlamentu hosi fatin hamutuk 65 implika atu hetan kuaze votu rihun 126.

SAPO TL ho Lusa