quarta-feira, 29 de março de 2017

China confirma detenção de ativista pró-democracia de Taiwan desaparecido após sair de Macau

PARTILHAR
Pequim, 29 mar (Lusa) -- O governo chinês disse hoje que um ativista de Taiwan, que desapareceu há uma semana ao passar a fronteira de Macau para a China, está detido e a ser investigado por suspeita de "atividades prejudiciais à segurança nacional".

O ativista pró-democracia Lee Ming-che, de 42 anos, passou a fronteira de Macau no dia 19 deste mês e nunca apareceu num encontro que previsto para mais tarde nesse dia com um amigo na cidade chinesa de Zhuhai, junto à fronteira com Macau.

O porta-voz do Escritório para os Assuntos de Taiwan, Ma Xiaoguang, disse que Lee Ming-che, se encontrava de boa saúde, mas não deu informações sobre onde estava detido ou outros termos da sua detenção, escreve a Associated Press.

"Em relação ao caso de Lee Ming-che, porque ele é suspeito de levar a cabo atividades prejudiciais à segurança nacional, a investigação está a ser tratada de acordo com os procedimentos legais", disse o porta-voz Ma Xiaoguang numa conferência de imprensa.

A Amnistia Internacional (AI) disse que a detenção de Lee aumenta as preocupações quanto ao aumento da repressão sobre o ativismo legítimo e instou as autoridades a fornecerem mais detalhes sobre a sua detenção.

"A detenção de Lee assente em vagas ideias sobre segurança nacional preocupa todos os que trabalham com organizações não-governamentais na China. Se a sua detenção estiver apenas ligada ao seu ativismo legítimo, ele deve ser imediata e incondicionalmente libertado", disse Nicholas Bequelin, diretor da AI para a Ásia Oriental numa resposta por email à Associated Press.

Na terça-feira, um colega de Lee disse que o ativista deverá ter atraído a atenção dos serviços de Segurança da China depois de ter usado a rede social WeChat para discutir as relações China-Taiwan.

Cheng Hsiu-chuan, presidente da Wenshan Community College, em Taipé, onde Lee trabalhou no ultimo ano como director de programa, disse que Lee usou o WeChat "para ensinar" um número desconhecido de pessoas sobre as relações China-Taiwan sob o governo da Presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen.

"Para a China, o que ele estava a ensinar seria visto como sensível", disse Cheng.

O WeChat tem centenas de milhões de utilizadores ativos e é uma forma de comunicação extremamente popular na China, onde outras redes sociais como o Twitter estão bloqueadas.

Segundo a Associated Press, vários pedidos de informação foram feitos através de canais oficiais e privados para obter informação sobre o ativista, sem sucesso.

Segundo notícias divulgadas desde o seu desaparecimento, o ativista sofre de problemas de saúde como pressão arterial elevada.

Na última década, Lee viajava todos os anos para a China para ver amigos, disse Cheng, ao acrescentar que o ativista falava de direitos humanos em privado, mas nunca em eventos públicos.

Em meados de 2016, no entanto, as autoridades chinesas fecharam a conta de WeChat de Lee e confiscaram uma caixa de livros publicados em Taiwan sobre assuntos políticos e culturais, disse Cheng.

Na sua mais recente viagem, Lee planeava ver amigos e obter produtos de medicina chinesa para a sogra em Taiwan, disse a mulher do ativista, Lee Ching-yu, que deveria ficar na cidade chinesa de Guangzhou até 26 de março.

"Quero que o governo da China atue como um país civilizado e me diga o que estão a fazer com o meu marido e com que bases legais e, como um país civilizado, o que estão a planear fazer com ele", acrescentou.

Dezenas de advogados têm sido interrogados ou detidos no âmbito de uma campanha contra advogados dissidentes lançada em julho de 2015.

FV // PJA
PARTILHAR

Author: verified_user

Publicação luso-timorense sem fins lucrativos

0 comentários: