domingo, 30 de julho de 2017

China pede a Coreia do Norte que respeite as resoluções da ONU

PARTILHAR
Xangai, China, 29 jul (Lusa) -- A China pediu hoje à Coreia do Norte que respeite "as resoluções pertinentes" do Conselho de Segurança da ONU e suspenda qualquer medida que possa aumentar a tensão na zona, segundo a agência oficial de notícia Xinhua.

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Geng Shuang, fez estas declarações após a confirmação de que a Coreia do Norte lançou, na noite de sexta-feira, um novo míssil balístico intercontinental, o Hwasong-14.

O exército norte-coreano disparou o seu segundo ICBM às 23:11 de sexta-feira (15:41 em Lisboa) a partir da aldeia de Mupyong, província de Chagang, na fronteira com a China.

O Hwasong-14 voou 998 quilómetros durante 47 minutos e alcançou uma altitude máxima de 3.724,9 quilómetros antes de cair no mar do Japão, segundo os 'media' estatais norte-coreanos, uma informação que corresponde aos dados do exército sul-coreano.


A resposta dada hoje pela China foi bem mais contundente que as opiniões emitidas pelo Governo de Pequim no dia do lançamento, quando outro porta-voz do Ministério, Lu Kang, disse que as "pressões de terceiros" tinham forçado a Coreia do Norte a multiplicar este ano os testes balísticos.

"Após tantos anos, o problema na península da Coreia podia resolver-se através de diálogo e consultas, mas devido a pressões e suspeitas de países terceiros, a Coreia do Norte viu-se obrigada a conduzir testes balísticos.

Este ano, em que aumentaram as ameaças mútuas entre os Governos da Coreia do Norte e dos Estados Unidos, Pyongyang realizou 12 testes com mísseis, em que testou pelo menos 17 peças de armamento, o que ajudou a melhorar o seu arsenal, segundo analistas militares.

Apesar destas justificações, a China reiterou em várias ocasiões a sua oposição a qualquer novo teste de míssil pela Coreia do Norte, em virtude das resoluções das Nações Unidas, bem como, nas palavras de Lu, "qualquer palavra ou ação que possa elevar a tensão".

ISG//ISG
PARTILHAR

Author: verified_user

Publicação luso-timorense sem fins lucrativos

0 comentários: