domingo, 28 de maio de 2017

Duterte diz a soldados que assumirá responsabilidade por tudo o que fizerem, até por violações

PARTILHAR
FILIPINAS

Não é a primeira vez que Duterte faz uma piada sobre violações

O presidente das Filipinas tentou tranquilizar os soldados que temem ser acusados de cometer abusos sob a lei marcial, declarada esta semana numa região do país, e usou o exemplo da violação, em jeito de piada, para dizer que assumirá total responsabilidade pelos atos dos soldados: "Se tivessem violado três, eu admito, a culpa é minha". Rodrigo Duterte, no entanto, salientou que não irá tolerar abusos.

Duterte tem feito muitos comentários polémicos, alguns considerados ofensivos, e é conhecido pelo estilo muito informal, com palavrões, ameaças e piadas. O discurso de sexta-feira foi feito perante soldados na ilha de Mindanao, onde o presidente impôs lei marcial na terça-feira para tentar esmagar os rebeldes. Os comentários surgiram depois de alguns grupos de defesa de direitos humanos terem considerado a decisão de declarar lei marcial excessiva.

"Se vocês tiverem problemas, eu tenho problemas. Mas pela lei marcial e pelas consequências e ramificações da lei marcial, eu e só eu sou responsável. Façam o vosso trabalho que eu tomo conta do resto", disse na sexta-feira, de acordo com a transcrição de um discurso citada pela Reuters. "Serei eu próprio a prender-vos", salientou, referindo-se a qualquer soldado que cometa uma violação, antes de brincar que "se tivessem violado três" a culpa seria assumida por ele.

Não é a primeira vez Duterte faz uma piada sobre violações. Causou indignação durante a campanha para as presidenciais, quando recordou um motim numa prisão em 1989, em que uma missionária australiana foi morta, dizendo que os presos tinham feito fila para violá-la e que como prefeito da cidade de Davao, onde o motim ocorreu, deveria ter sido o primeiro da fila. Pediu desculpa mais tarde, assegurando que não tinha a intenção de desrespeitar as mulheres ou vítimas de violação.

Diário de Notícias | Foto: Reuters
PARTILHAR

Author: verified_user

Publicação luso-timorense sem fins lucrativos

0 comentários: