domingo, 12 de março de 2017

Presidente timorense considera normal a tensão política e nega ataques pessoais

PARTILHAR
Díli, 10 mar (Lusa) - O Presidente da República timorense, Taur Matan Ruak, considerou hoje normal haver tensão política com outras individualidades timorenses, incluindo Xanana Gusmão, insistindo que nunca pretendeu fazer quaisquer ataques pessoais mas simplesmente debater ideias.

"As pessoas têm o direito de avaliar o que eu disse. Mas não foi essa a minha intenção (o ataque pessoal). Foi para parar um pouco, repensar a nossa política e avançar lentamente, não ignorando a opinião dos outros", disse em entrevista à Lusa.

"Uma das características dos militares é ser frontal demais, não ser diplomático. Isso cria embaraço. É um defeito meu. Agora estou a ter que aprender, mas antes de aprender os outros vão ter que levar", explicou entre risos.

A relação entre Ruak e Gusmão (ex-primeiro-ministro e atual ministro do Planeamento e Investimento Estratégico) deteriorou-se nos últimos anos depois de várias críticas do Presidente à ação do Governo e, em particular, depois de um polémico discurso que proferiu no Parlamento Nacional, no início de 2016.

No discurso, Taur Matan Ruak acusou Xanana Gusmão e os líderes da Fretilin (segundo partido timorense) Mari Alkatiri e Lu-Olo de usarem a unanimidade política não para resolver os problemas mas apenas para poder e privilégio, beneficiando familiares e amigos.

O chefe de Estado chegou a comparar a ação dos líderes com práticas do ex-ditador indonésio Suharto, em comentários que marcaram um discurso cheio de críticas ao modelo de desenvolvimento do Governo e que levaram Xanana Gusmão a devolver ao Presidente uma condecoração com tinha sido agraciada no ano anterior.

"Gostaria de informar sua excelência de que eu, humildemente, peço para aceitar o devolver desta medalha, para a poder entregar a outras pessoas que a merecem mais", explicou Xanana na carta em que devolveu a medalha.

Questionado sobre se considerava, hoje, que esses comentários poderiam ter sido um exagero, Taur Matan Ruak afirmou que "as pessoas apanharam o supérfluo" do seu discurso "para o tornar um problema".

"O meu ponto de vista, o que nos faz diferentes é a opinião sobre o modelo de desenvolvimento. Não concordo muito com este modelo de desenvolvimento e com este modelo de civilização. Naturalmente eles não viram isto, viram mais o supérfluo", afirmou.

Sobre como está hoje a relação, o chefe de Estado diz que Xanana Gusmão e Mari Alkatiri "normalmente andam fugidos" do Presidente.

"Eu estou muito à vontade. Não tenho problemas. Onde está o Presidente, eles não estão. Espero que isso não continue. Eu não tenho inimigos nem adversários permanentes. Sou suficientemente civilizado para lidar com pessoas", considerou.

O chefe de Estado rejeitou igualmente que haja problemas na sua relação com o comandante das F-FDTL, major-general Lere Anan Timur, depois da longa saga que foi a decisão sobre a sucessão no comando das forças de defesa.

Taur Matan Ruak chegou a anunciar duas alternativas que o Governo rejeitou, acabando por ceder na posição inicialmente defendida pelo executivo, a de manter Lere Anan Timur no cargo.

"O meu esforço era proceder à transição. O Governo insistiu em manter e o Presidente conformou. O Presidente da República quer manter a coesão institucional, a relação com parlamento e Governo. Um tem que ceder. O PR como chefe de Estado decidiu ceder. Foi uma pequena contribuição minha para manter as coisas mais calmas e serenas", disse.

Timor-Leste, insiste, "é um país democrático e civilizado", onde as pessoas "não se matam por causa das diferenças" e as críticas são recebidas "de forma natural", como um processo normal na democracia, algo "positivo, de formação, de transformação".

Taur Matan Ruak termina o seu mandato a 20 de maio, dia em que se cumprem 15 anos da restauração da independência de Timor-Leste e em que tomará posse o seu sucessor, eleito de entre os oito candidatos atualmente em campanha.

ASP // JPS Foto@ António Sampaio /EPA
PARTILHAR

Author: verified_user

Publicação luso-timorense sem fins lucrativos

0 comentários: