sábado, 12 de maio de 2018

Dirigente da coligação da oposição confiante em maioria absoluta

PARTILHAR

Díli, 12 mai (Lusa) - O ex-Presidente timorense Taur Matan Ruak, número dois da coligação da oposição AMP, mostrou-se hoje confiante numa maioria absoluta da sua força política nas legislativas antecipadas que estão a decorrer, desdramatizando a tensão da campanha.

"Com certeza. Sim. Estou confiante", disse aos jornalistas depois de votar na escola de Metiaut, um dos 24 centros de votação do posto administrativo de Cristo Rei, na zona oriental da cidade de Díli, onde estão registados para votar 1113 eleitores.

A escola, como outros centros de votação, tem tido uma elevada afluência e segundo observadores internacionais no local explicaram à Lusa, uma hora depois da abertura das urnas, já tinham votado cerca de 150 eleitores.

Taur Matan Ruak, que votou acompanhado da mulher, Isabel Ferreira, é o número dois da Aliança de Mudança para o Progresso (AMP), força política liderada por Xanana Gusmão e que engloba três forças da oposição: Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste (CNRT), Partido de Libertação Popular (PLP) e Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan (KHUNTO).

A AMP parte em vantagem para as eleições de hoje já que os três partidos, em conjunto, controlam 35 dos 65 lugares do Parlamento Nacional.

Questionado sobre a tensão na campana, Matan Ruak desdramatizou o assunto, afirmando que a população tinha mostrado "maturidade política", mostrando confiança na capacidade dos órgãos eleitorais.

"Timor tem que testar tudo, até o impossível, para habituar as pessoas a lidar com a democracia. Somos um país com 16 ou 17 anos, mas estamos muito felizes por o nosso povo mostrar grande maturidade e civismo, apesar de pequenos incidentes em todo o país", afirmou.

Os órgãos eleitorais "fazem o possível para continuar a cumprir a sua missão" e, nos últimos 16 anos, ganharam "grande experiência".

"Não é primeira vez que estão a liderar eleições. Penso que há pequenas coisas que existem e que se podem melhorar no futuro", afirmou.

Remetendo para depois do voto qualquer comentário sobre eventuais alianças, coligações ou colaborações, Matan Ruak disse que é essencial "distinguir entre um líder e um chefe, porque o líder educa e o chefe manda".

Em Timor-Leste, afirmou, "cada vez mais estão a emergir líderes, a aprender melhores hábitos e comportamentos".

"Muito obrigado à nossa população, vale a pena continuar a ser líder para os liderar, ensinar, educar, a escolher o melhor para o país", disse ainda.

As urnas encerram às 15:00 (07:00 em Lisboa).

ASP // PJA
PARTILHAR

Author: verified_user

Publicação luso-timorense sem fins lucrativos

0 comentários: