domingo, 15 de janeiro de 2017

TURISMO EM TIMOR-LESTE, À DESCOBERTA DA MARAVILHOSA ILHA FEITICEIRA

PARTILHAR


TIMOR-LESTE CATIVA, É IRRESISTIVEL. DESCUBRA A ILHA FEITICEIRA

Apenas com intenção de divulgação criámos no Timor Agora o item no menu que aborda o Turismo em Timor-Leste. Com o título TURISMO EM TIMOR-LESTE, À DESCOBERTA DA MARAVILHOSA ILHA FEITICEIRA publicaremos abordagens compiladas ou de nossa autoria. Poderá encontrar a ligação no topo, no menu referindo Turismo (obviamente em Timor-Leste) ou na barra lateral uma miniatura de foto também com expressão em inglês East Timor Tourism. Basta clicar na foto para aceder às páginas de turismo ou com relação ao tema. Os conteúdos são expressos em português e inglês (para turistas que desconhecem a língua nacional timorense, o tétum).

Timor-Leste é na realidade uma ilha feiticeira, alguém disse e escreveu, Assim a definiram com toda a propriedade. Saiba que se viajar até àquela jovem nação jamais a esquecerá. Aliás, quase de certeza que irá regressar. A envolvência da ilha e das suas populações funcionarão como um íman que atrairá os que tiveram a boaventura de viajar até Timor-Leste. É um turismo cem por cento a sério. Um turismo de cultura, de natureza, de humanidade, de simpatia e acolhimento ímpar, de paisagens lindas e indescritíveis. Uma experiência única. É raríssimo para quem lá vai não trazer todo o Timor que desvendaram no coração. A vontade de regressar começa logo à partida e as saudades corroem-nos se não regressarmos.

Sobre o tema repescámos um texto datado de 2013, inserido em Opera Mundi, da autoria de Solly Boussidan. O artigo tem na composição várias fotografias – que poderá ver no original. Após três anos mais que a data do texto referido já se registaram muitas melhorias para o turismo e na generalidade graças ao desenvolvimento visivel no país.

De salientar que também na página de Timor-Agora sobre o tema integraremos progressivamente fotos e vídeos junto com os textos que lhe possam interessar para assim “descobrir” Timor-Leste e aguçar o desejo de ali fazer as suas viagens de turismo.

Boa viagem.

MM / AV

Praias "amaldiçoadas" e montanhas de Timor são opção para turismo de aventura

Solly Boussidan, Dili - 13/11/2013 - 06h00 – em Opera Mundi

Para além da capital DÍli, ex-colônia portuguesa proporciona uma série de atrativos naturais

Engana-se quem imagina que uma visita a Timor Leste se resume a conhecer Díli, capital do país e seus arredores. O interior timorense – nos chamados “distritos” – reserva excelentes surpresas. Entre paisagens espetaculares, os resquícios da colonização portuguesa e da brutal ocupação indonésia são ainda visíveis. Vilas típicas, arrozais e praias semivirgens pontilham a pequena nação do Sudeste Asiático, mas veículos 4x4 são necessários para transpor as pequenas estradas e trilhas off-road que levam aos pontos mais interessantes – um prato cheio para quem curte turismo de aventura.

Por toda a costa, pontos de mergulho com barreiras de corais intocadas são um dos principais chamarizes de Timor Leste que, aos poucos, começa a aparecer no radar de mergulhadores mais intrépidos. A cultura local, com seu sincretismo entre o catolicismo e o animismo, toma contornos mais nítidos conforme a distância para a capital aumenta. Entre a montanha e o mar, Timor Leste apresenta um repertório exuberante de atrações e cultura.

Monte Ramelau

A cerca de 100 km a sudoeste de Díli, o Monte Ramelau – conhecido como Foho Tataimailau na língua Mambai falada localmente – é o ponto mais alto do país. Mais do que isso, ao longo de 153 anos foi também a maior montanha de Portugal e ainda hoje, do alto de seus 2.963 metros, ocupa a segunda posição entre as ex-colônias portuguesas (somente o Pico da Neblina, com 2.994 metros, no Brasil, o supera).

A montanha é facilmente escalável em cerca de duas horas e, do alto, é possível ver as costas sul e norte do país. No entanto, parte da aventura de escalar o Ramelau é chegar até o monte.

As estradas tortuosas e esburacadas são intransponíveis durante a época de chuvas (outubro a março) e repleta de obstáculos durante o resto do ano – além de pedras e pontes improvisadas, elas são compartilhadas com búfalos, porcos, cabras e cães. Alguns "microlettes" – os micro-ônibus multicoloridos que preenchem o vácuo gerado pela precariedade de transporte local – também são uma opção.

Durante o caminho pode-se ver diversas aldeias que ainda conservam de maneira muito viva as tradições e cultura timorenses – não é incomum se deparar com algum pequeno festival, com mulheres cantando e homens portando catanas (facões típicos) e trajando roupas típicas. Muitas das vilas possuem ruínas de fortes e igrejas portuguesas.

Aos poucos, as aldeias vão se espaçando e cafezais começam a surgir junto à estrada. O terreno fica mais íngreme e as montanhas começam a surgir. Aproveite o caminho para conhecer o Memorial de Dare, a cerca de 20 km de Díli, que reconta as incursões australianas com ajuda timorense durante a II Guerra Mundial.

Na marca dos 70 km, em meio a montanhas verdejantes, a encantadora vila de Maubisse é um excelente ponto de descanso, com vista para o Ramelau. A Pousada de Maubisse era a antiga residência do governador e é a melhor opção local para refeições e hospedagem, além de oferecer vistas panorâmicas das montanhas e da cidadezinha.

Os últimos 18 km de estrada são também os mais desafiadores – o asfalto dá lugar à terra batida, mas a vegetação se torna ainda mais exuberante com alecrins e pessegueiros. A parada final é a aldeiazinha de Hatubuiliku, aos pés do monte. A vila serve como ponto de partida para a subida da montanha e não oferece muita infraestrutura, além de duas pequenas pousadas e um mercadinho. Ainda assim, é possível visitar algumas cascatas, além de ruínas de pontes, escolas e instalações militares da Indonésia.

Grande parte dos visitantes opta por ver o sol nascer do cume do Ramelau – a subida geralmente se inicia por volta das 3h, e guias locais podem ser contratados para acompanhar os turistas.

Paraíso amaldiçoado

Na direção oposta ao Monte Ramelau, no extremo leste de Timor, o paraíso atende pelo nome de Jaco (ou, como preferem os nativos, Ilhéu de Jaco, uma ilhota com área de 10 km2 separada do restante de Timor Leste por um pequeno canal) e que exige sacrifícios para chegar.

Leva-se pouco mais de oito horas para se percorrer os pouco menos de 200 km que separam Díli e Walu, na extremidade da ilha de Timor – para chegar a Jaco é preciso contratar um barco de pescadores, o qual realiza uma travessia de 3 km.

O caminho exige espírito de aventura, com curvas e precipícios se sucedendo por uma estrada de difícil tráfego. Mantenha a câmera fotográfica à mão – arrozais e casas sagradas animistas aparecem por todo o caminho. A vila de Ioro é especialmente fotogênica.

Baucau, segunda maior cidade de Timor-Leste, está a 122 km de Díli e é um bom ponto para fazer uma pausa na jornada. A única atração realmente turística da cidade é o antigo mercado municipal português, mas há também uma bela praia com bons pontos de mergulho e snorkel a 5 km do centro. É recomendável procurar informação localmente antes de entrar no mar, pois com frequência há crocodilos de água salgada nas redondezas.

A suntuosa Pousada Baucau é um dos melhores hotéis de Timor Leste e possui um excelente restaurante especializado em gastronomia portuguesa – como sobremesa há a opção do creme de natas (versão lusitana do crème brûlée) preparado em quantidade reduzida e comumente reservado com antecedência por hóspedes e turistas.

Seguindo para o leste, a estrada literalmente termina na vila de Tutuala, a cerca de 2h de viagem, onde há uma vista espetacular de Jaco e da praia de Walu, 8 km morro abaixo. É impossível realizar a descida sem um veículo com tração nas quatro rodas. A trilha é feita de pedregulhos e lamaçais, tomando no mínimo 1h para ser transposta.

Após tantas dificuldades, o prêmio vem na forma de uma praia espetacular. Não espere muita infraestrutura – Walu possui apenas duas pequenas pousadas sem chuveiro ou água encanada, mas dormir (geralmente em barracas) de frente para o mar turquesa vale os inconvenientes.

A pequena ilha de Jaco está bem diante das pousadas, mas não é possível pernoitar lá – os timorenses acreditam que a ilha é ao mesmo tempo sagrada e amaldiçoada por espíritos ancestrais e por inúmeras vítimas assassinadas aí pelos indonésios. Durante o dia é possível contratar pescadores para realizar a curta travessia por cerca de seis dólares por pessoa.

Pisar em Jaco é como ser transportado para dentro de um cartão postal – uma praia deserta de areia branca e fina, emoldurada pelo mar, que brilha em múltiplos tons de azul. Não é preciso sequer entrar na água para avistar corais e peixes multicoloridos. A perfeição, entretanto, ganha contornos de magia com a frequente visita de grupos de até 50 golfinhos – o surrealismo da paisagem é suficiente para convencer os visitantes de que Jaco é realmente um sinônimo de paraíso.

Solly Boussidan, Dili - 13/11/2013 - 06h00 – em Opera Mundi

TURISMO EM TIMOR-LESTE, À DESCOBERTA DA MARAVILHOSA ILHA FEITICEIRA


Timor-Leste, oficialmente República Democrática de Timor-Leste (em tétum: Timor Lorosa'e) oficialmente Repúblika Demokrátika Timór-Leste), é um dos países mais jovens do mundo, e ocupa a parte oriental da ilha de Timor, no Sudeste Asiático, além do exclave de Oecusse, na costa norte da parte ocidental de Timor, da ilha de Ataúro, a norte, e do ilhéu de Jaco, ao largo da ponta leste da ilha. As únicas fronteiras terrestres que o país tem ligam-no à Indonésia, a oeste da porção principal do território, e a leste, sul e oeste de Oecusse, mas tem também fronteira marítima com a Austrália, no Mar de Timor, a sul. Com 14 874 quilómetros quadrados de extensão territorial, Timor-Leste tem superfície equivalente às áreas dos distritos portugueses de Beja e Faro somadas, o que ainda é consideravelmente menor que o menor dos estados brasileiros, Sergipe. Sua capital é Díli, situada na costa norte.

A língua mais falada em Timor-Leste era o indonésio no tempo da ocupação indonésia, sendo hoje o tétum (mais falado na capital). O tétum e o português formam as duas línguas oficiais do país, enquanto o indonésio e a língua inglesa são consideradas línguas de trabalho pela atual constituição de Timor-Leste. Geograficamente, o país enquadra-se no chamado sudeste asiático, enquanto do ponto de vista biológico aproxima-se mais das ilhas vizinhas da Melanésia, o que o colocaria na Oceania e, por conseguinte, faria dele uma nação transcontinental.

O país foi colonizado pelo Império Português no século XVI e era conhecido como Timor Português até a descolonizaçãodo país. No final de 1975, Timor-Leste declarou sua independência, mas no final daquele ano foi invadido e ocupado pela Indonésia e foi anexado como a 27ª província do país no ano seguinte. Em 1999, após um ato de autodeterminaçãopatrocinado pelas Nações Unidas, o governo indonésio deixou o controle do território e Timor-Leste tornou-se o primeiro novo Estado soberano do século XXI, em 20 de maio de 2002. Após a independência, o país tornou-se membro das Nações Unidas e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Em 2011, o Timor-Leste anunciou a intenção de participar da Associação de Nações do Sudeste Asiático através da apresentação de uma carta de candidatura para se tornar o décimo primeiro membro do grupo.[4] É um dos dois únicos países predominantemente cristãos no sudeste da Ásia, sendo o outro as Filipinas.

O Timor-Leste tem uma renda média inferior à da economia mundial,[5] sendo que 37,4% da população do país vive abaixo da linha de pobreza internacional, o que significa viver com menos de 1,25 dólar dos Estados Unidos por dia,[6] e cerca de 50% da população é analfabeta.[7] O país continua a sofrer os efeitos colaterais de uma luta de décadas pela independência contra a ocupação indonésia, que danificou severamente a infraestrutura do país e matou pelo menos cem mil pessoas. O país é classificado no 128º lugar no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). No entanto, teve o sexto maior crescimento percentual do produto interno bruto no mundo em 2013.

- em Wikipédia

=============================================================================

PLANEJANDO UMA VIAGEM A TIMOR-LESTE?


Fazemos o trabalho para você: vamos buscar os melhores preços de hotéis em mais de 200 sites

- Os destinos populares em Timor Leste

- Os melhores hoteis e restaurantes em Timor Leste

- As melhores atrações em Timor Leste


========================================================================

EAST TIMOR – DILI 2017 WITH PETE FREEMAN – 12TH / 19TH JUNE


Event in Newcastle


Monday 12 June 2017, 15:00 till Monday 19 June 2017, 18:00

Organized by : Dive Skate & Ski

Dive, Skate and Ski is a locally owned business in Newcastle which has been operating for 12 years.

Specialists in water and snow sports.

Dive, Skate and Ski have great SSI training facilities, with a variety of courses run monthly - contact the store for details.

Activities Newcastle / Description

Join us as we set off to visit the Beatiful Dili.

12th - 19th June 2017.

Dili has incredible shore diving on offer including tasitolu and the pertamina jetty, site renowned for nudibranchs, scorpion fish and pipefish sightings. If you're wanting something more, opt to do the atauro island trip, where you can explore the magnificent plunging wallsand marine trenches reaching depths of 3km. these are a travel route for whales, dolphins, tuna and sailfish.

Why not Treat yourself.

For more information or to book now call us on 4969 7844


=============================================================================

TIMOR-LESTE TEM IMENSO POTENCIAL TURÍSTICO E ESPERA POR SI


País de língua portuguesa, nos limites da Ásia com a Oceania, tem, ao mesmo tempo, grande distância e grande proximidade com o Brasil. Fica do outro lado do mundo, mas também era parte do antigo Império Lusitano.

Seu território é montanhoso e de origem vulcânica, com alguns vulcões extintos. Possui alguns trechos de mata densa e existem algumas cachoeiras. A área total do País é menor que a de Sergipe.

Está separado da Austrália pelo Mar de Timor. Lá fica a cidade de Darwin, a cerca de 650 km de distância. O Darwin Dili Yacht Rally ocorre todo ano, partindo de Darwin, passando pela ilha de Jaco e terminando em Díli.

Timor-Leste tem imenso potencial turístico, que vem se desenvolvendo nos últimos anos. Tem belas praias e a prática de mergulho é uma excelente opção. Tem grande patrimônio histórico da época portuguesa e tradições culturais nativas.

- em Guia Geográfico (adaptado)

A ILHA DE JACO, NA PONTA LESTE

Jaco é uma ilhota das Pequenas Ilhas de Sonda. Localiza-se no ponto mais oriental da ilha de Timor - ou Ponta Leste - em Kap Cutcha. Politicamente é parte do suco e subdistrito Tutuala (distrito de LautémTimor-Leste).[1][2] Inabitada, é considerada sagrada pelos povos autóctones, tornando-se proibido o pernoite na ilhota, apenas a visita diurna.

É separada da ilha de Timor por um canal estreito, o que permite a travessia apenas por pequenos barcos. Apresenta aproximadamente 8 km² de área,[1] e sua maior altitude fica em torno de 100 metros.

No livro Aspectos da política ultramarina de Portugal, do pesquisador português Henrique Paulo Bahiana, há o seguinte trecho descritivo:

«A província de Timor, cuja capital é a cidade de Díli, compreende a parte oriental da ilha de Timor, o território de Oé-Cussi Ambeno, a ilha de Atauro e a ilha de Jaco, tendo por limites terrestres os designados na Convenção Luso-holandesa de 1º de outubro de 1904 e na sentença arbitral de 25 de junho de 1914.»[3]

Para além da sua beleza natural, com praias de areia branca, Jaco é habitat de espécies de aves endémicas, entre as quais se incluem o pombo-cuco-pardo e o assoviador-de-peito-creme.

Reconhecendo esse facto e interesse de Jaco para a conservação da biodiversidade, a ilha foi incluída no Parque Nacional Nino Konis Santana, o primeiro Parque Nacional de Timor–Leste, criado a 3 de Agosto de 2007 pelo Departamento de Áreas Protegidas e Parques Nacionais do Estado timorense.[1]

As águas do entorno da ilha são repletas de corais e rica fauna marinha.

- em Wikipédia

=============================================================================

VÍDEOS E FOTOS



PARTILHAR

Author: verified_user

Publicação luso-timorense sem fins lucrativos

0 comentários: