quarta-feira, 25 de abril de 2018

Fretilin não viabilizará eventual Governo AMP com cheque em branco -- Mari Alkatiri

PARTILHAR

Díli, 25 abr (Lusa) - O líder da Fretilin, maior partido timorense, disse hoje que não passará "um cheque em branco" para viabilizar um eventual Governo da AMP, se a coligação da oposição vencer as eleições de maio sem maioria absoluta.

"A Fretilin quer que este país vá para a frente, mas não vamos apoiar um Governo do CNRT que falhou durante 10 anos, com um cheque em branco. Para viabilizar tem que ser claro quais são os limites", disse Mari Alkatiri, secretário-geral da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) e atual primeiro-ministro, em entrevista à Lusa.

Questionado sobre se isso leva a supor que a Fretilin considera ter dado esse cheque em branco nos últimos anos ao Governo liderado pelo CNRT, Alkatiri admite que "de certa forma sim, foi um cheque em branco" considerando que a governação "durante 10 anos foi negativa".

Alkatiri falava à Lusa numa pausa da campanha para as legislativas antecipadas de 12 de maio, marcadas por uma reviravolta nas alianças do passado, com Xanana Gusmão e o seu anterior rival, Taur Matan Ruak, juntos na Aliança de Mudança para o Progresso (AMP).

Num cenário de derrota da Fretilin, Alkatiri considera ainda "muito pouco provável" que continue com as suas funções de presidente da Zona Especial de Economia Social de Mercado (ZEESM) no enclave de Oecusse-Ambeno.

"Com este clima que se esta a gerar durante a campanha, não haverá mais ambiente para o entendimento. Só que é uma pena. Não quero dizer que sou o melhor dos melhores, mas fundamental na ZEESM é o modelo de gestão que eu ainda não deixei", afirmou.

Os comentários de Mari Alkatiri confirmam a degradação do relacionamento entre si e Xanana Gusmão e entre os dois partidos, o CNRT que liderou os últimos três Governos e a Fretilin que ajudou a viabilizar o executivo entre 2015 e 2017.

Os dois partidos estiveram juntos na candidatura do presidente da Fretilin Francisco Guterres Lu-Olo a Presidente da República em 2017 mas a relação começou a degradar-se depois da formação do VII Governo, liderado por Mari Alkatiri.

Na campanha de 2017, em que Xanana Gusmão se mostrava convicto de uma vitória por maioria absoluta do seu partido, o líder timorense disse à Lusa, sobre o futuro e a relação do CNRT com a Fretilin, que os dois partidos continuam com "excelentes relações, de respeito" e que "não terão êxito" tentativas de outros partidos "provocar distúrbios ou problemas entre os dois".

Para Mari Alkatiri a aliança acabou por falta do "respeito mutuo" que é necessário "para que ambos sejam iguais mas que, neste caso, não existiu verdadeiramente".

"Éramos aliados, entendíamo-nos num projeto nacional e entre nós parecia que havia uma aliança entre iguais, mas a tendência do Xanana é que se pode aliar com todos, mas ele tem que estar sempre acima dos outros", defendeu.

"Não aceita resultados democráticos. Baseia-se na legitimidade dita histórica para dizer que está sempre acima dos outros, a comandar", referiu.

Questionado sobre o facto de muitos fazerem a mesma avaliação quanto à atuação de Mari Alkatiri, o ainda primeiro-ministro é enfático: "mas eu ganhei as eleições e se era para consolidar esta mesma aliança ele devia aceitar isso".

"Era isso mesmo que o povo queria, que passasse a Fretilin a liderar mas com a consolidação da aliança", afirmou, mostrando-se convicto de que a situação atual não aconteceria num cenário inverso, da vitória, ainda que por margem curta, do CNRT.

"Não, porque a Fretilin teria respeitado, para manter a estabilidade no país", afirmou.

Questionado sobre o falhanço das negociações para conseguir um Governo maioritário - e em particular as críticas de que esse falhanço se deve ao facto de ter tentado negociar modelos diferentes com todos - Alkatiri diz que lidou com a realidade e o caráter de cada partido, tendo havido demasiadas exigências do Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO).

"As pessoas entendem que a aliança não deve ter como base o respeito pelos resultados eleitorais. E então pedem demais. Como pode um partido com 5 deputados querer 7 lugares no Governo e querer lugares chave, segurança e defesa", disse.

"Como pode um que diz que vai fazer incidência parlamentar, o CNRT, porque não quer participar no governo, mas quer manter elementos da sua confiança nas áreas fundamentais da governação: infraestruturas, finanças, petróleo, solidariedade e de certa forma mantendo a influência sobre educação? Seria eu o primeiro-ministro mesmo num cenário destes?", questiona.

Sobre o seu próprio futuro na Fretilin e se se demitiria em caso de derrota, Alkatiri disse que "Xanana perdeu e não se afastou" da liderança do CNRT, afirmando que os querem a sua saída pretendem enfraquecer o partido.

"Mas já tenho uma nova geração com coragem para enfrentar Xanana Gusmão, Taur Matan Ruak. Mas isso foi formado. Levou tempo", disse.

ASP // JPS
PARTILHAR

Author: verified_user

Publicação luso-timorense sem fins lucrativos

0 comentários: