domingo, 3 de junho de 2018

"Mães de Tiananmen" exigem a Pequim que assuma responsabilidades pelo massacre de 1989

PARTILHAR
Pequim, 01 jun (Lusa) - O grupo que reúne familiares dos estudantes assassinados pelo exército chinês em 4 de junho de 1989, durante a repressão do movimento pró-democracia da Praça Tiananmen, exigiu hoje ao Governo chinês que assuma responsabilidades pelo sucedido.

Numa carta dirigida ao Presidente chinês, Xi Jinping, nas vésperas do 29.º aniversário do massacre, os familiares das vítimas criticam o silêncio e os esforços das autoridades para que o massacre seja esquecido.

"Ninguém dos sucessivos governos, nos últimos 29 anos, perguntou por nós, e ninguém pediu desculpa de nenhuma forma, como se o massacre que comoveu o mundo nunca tivesse acontecido", denunciou a organização não-governamental.

A carta é assinada por 128 mães, pais e outros familiares de jovens que perderam a vida na noite de 3 para 4 de junho, em Pequim, quando o Governo mandou o exército intervir para terminar com quase sete semanas de protestos pró-democracia.

O número exato de pessoas mortas continua a ser segredo de Estado, mas as "Mães de Tiananmen" já identificaram mais de 200 mortos.

"É um crime inumano, que afetou gravemente a reputação do nosso país", lê-se na carta, que denuncia a "indiferença" e "frieza" das autoridades chinesas face à perda de vidas.

"Nunca nos deram uma explicação", denunciam os familiares, que continuam a exigir saber o que se passou e que as autoridades assumam a sua responsabilidade.

O grupo denuncia ainda a intimidação por parte das autoridades, que continuam a vigiar as famílias e a prender quem tenta recordar o episódio.

Também a organização não-governamental de defesa dos Direitos Humanos Human Rights Watch (HRW) exigiu hoje ao Governo chinês justiça pelo sucedido e pediu a libertação imediata dos ativistas presos por lembrarem as vítimas.

"À medida que se aproxima o aniversário, o Governo chinês continua a negar os crimes durante a brutal repressão dos protestos. As autoridades cobriram os assassinatos, não levaram os responsáveis à justiça e perseguiram as vítimas e familiares dos sobreviventes", denunciou, em comunicado.

A diretor a da HRW para a China, Sophie Richardson, lembra que a "única forma de eliminar esta mancha é o Governo assumir a sua responsabilidade".

JPI // PJA
PARTILHAR

Author: verified_user

Publicação luso-timorense sem fins lucrativos

0 comentários: