sábado, 20 de abril de 2019

'Capacetes azuis' deveriam ter entrado mais cedo -- ex-conselheira de Habibie

PARTILHAR

Jacarta, 20 abr 2019 (Lusa) -- A ex-conselheira presidencial indonésia Dewi Fortuna Anwar afirmou que o país deveria ter engolido o seu "orgulho nacionalista" e permitir a entrada de capacetes azuis em Timor-Leste mais cedo, em 1999, para travar a violência antes e depois do referendo.

"O que mudaria hoje se soubesse que isso ia acontecer? Teria argumentado de forma mais forte para permitir a entrada de uma força internacional mais cedo", disse a antiga conselheira do Presidente Habibie, em entrevista à Lusa.

"Deveríamos ter engolido algum do nosso orgulho nacionalista e dizer que era melhor a nossa honra ficar dorida, mas a nossa reputação ficar intacta", sublinhou.

Admitindo que o cenário de violência era expectável, "mesmo se o resultado fosse o contrário", Anwar diz que a Indonésia tem que assumir responsabilidade pelo que aconteceu, já que assumiu para si a responsabilidade pela segurança.

"A Indonésia recusou ter forças de paz internacionais por causa desta postura nacionalista forte de que não aceita forças externas em território indonésio. Nós somos não alinhados, não aceitamos forças estrangeiras no nosso território", disse.

Parte do problema, sustenta, deveu-se à posição da ONU de que a segurança deveria, no essencial, ser garantida pela polícia que era "o parceiro júnior das Forças de Defesa, as ABRI, e que, por isso não era suficientemente forte para garantir a segurança no terreno".

Assumir essa responsabilidade, porém, ia muito mais além do que apenas a questão de Timor-Leste já que, insiste, na mesma altura, se estava a "tentar salvar a própria indonésia, a consolidar o tecido da sociedade indonésia".

"E isso dependia de continuar a ter os militares a apoiar o processo de reforma. Não podíamos antagonizar ou alienar completamente os militares nessa altura. O general Wiranto apoiava a 'reformasi', mas todos sabiam que o governo civil era muito frágil", recordou.

Dewi Fortuna Anwar, que este ano completa 61 anos, é investigadora e professora no Instituto Indonésio de Ciências (LIPI) e foi conselheira de Bacharuddin Jusuf Habibie, que assumiu a Presidência indonésia depois da queda de Suharto em 1998.

Apesar do que diz ser a vontade de resolver o assunto pacificamente, 1999 acabou por se tornar um ano particularmente violento, com vários massacres e, depois, a destruição de grande parte das infraestruturas do país, após o anúncio dos resultados do referendo.

Habibie, disse Anwar, acompanhava o assunto com "grande preocupação" em particular porque a vontade de resolver o assunto rapidamente era, exatamente, "para evitar um banho de sangue", já que o prolongamento do processo daria mais oportunidade aos apoiantes da independência e da integração para "consolidar posições".

"Os grupos anti-integração poderiam ter apoio externo, aberto, à sua posição e os pró-integração ter o apoio das forças de segurança indonésias. E isso poderia levar a uma guerra civil", afirmou.

Hoje, referiu, é "importante que Timor-Leste e a Indonésia olhem para o futuro".

A Indonésia, mesmo as vozes que estavam contra o referendo, como a ex-Presidente Megawati Sukarnoputri, aceitaram o resultado e os líderes timorenses "mostraram grande maturidade" em olhar para o futuro.

"Mostra que indonésia é adulta e matura suficiente e sabe reconhecer que o que está feito está feio e que podemos não esquecer, mas predamos e temos que avançar. Aplaudo os líderes timorenses, alguns que estiverem detidos em cadeias na Indonésia, como Xanana Gusmão em particular, por terem feito isso", afirmou.

"Não podemos escolher o nosso passado, mas podemos escolher o nosso futuro e o futuro da Indonésia e de Timor será sempre próximo e esses laços são do interesse de Timor", afirmou

ASP // PJA
PARTILHAR

Author: verified_user

Publicação luso-timorense sem fins lucrativos

0 comentários: