sábado, 18 de maio de 2019

Jornalista filipina denuncia intimidação dos que lutam pela verdade e democracia

PARTILHAR

Macau, China, 17 mai 2019 (Lusa) -- A jornalista filipina Maria Ressa, detida duas vezes no país por 'ciber-difamação', contestou hoje aquilo que classificou de intimidação e assédio contra os jornalistas que tentam salvar a democracia com "uma única arma", a verdade.

"A maior batalha da nossa geração é a batalha pela verdade. E os jornalistas estão na linha da frente [dessa luta]. Estamos a ser atacados", advertiu a jornalista distinguida pela revista Time em 2018 como "personalidade do ano".

Ressa teve de pedir permissão às autoridades filipinas para estar presente esta tarde no Clube dos Correspondentes Estrangeiros de Hong Kong, para uma palestra transmitida em direto pela rede social Facebook.

A diretora do 'site' noticioso Rappler, que é já um dos mais influentes nas Filipinas, trava uma luta judicial contra o Governo do Presidente Rodrigo Duterte, que acusou o portal de 'ciber-difamação' e de ser financiado pelos Estados Unidos.

"A lei foi armada contra nós... e achei que era tão absurda que as pessoas não a apoiariam", lamentou, numa sessão marcada pelo poder das redes sociais, a emergência do populismo, as recentes eleições nas Filipinas e as ameaças à liberdade de imprensa.

A antiga correspondente da CNN no Sudeste Asiático referia-se à lei pela qual está a ser processada, aprovada meses após a publicação da notícia em causa, que data de 2012, ano em que nasceu a Rappler.

"É uma intimidação, um assédio, foi feita para nos afastar dos nossos recursos", disse. A Rappler, que nasceu como um projeto inovador e tecnológico para capturar o público jovem e recuperar a essência do jornalismo, tornou públicos vários escândalos sobre o Governo e foi pioneira em denunciar vários abusos da controversa guerra contra as drogas de Duterte.

Questionada sobre os desafios trazidos pela revolução digital e o impacto nos novos media, a veterana considerou que o cenário tem tanto de entusiasmante como de preocupante, mas que é essa dualidade que a motiva.

"A tecnologia é ao mesmo ao mesmo tempo a maldição e a salvação do nosso tempo. Temos de olhar de perto para ela", afirmou a jornalista, salientando que "não se deve deixá-la apenas nas mãos de programadores e das redes sociais".

"Quando dizes uma mentira um milhão de vezes, torna-se verdade. Isso acontece nas redes sociais", sustentou.

A solução para o jornalismo a nível global reside então naquilo a que chamou de "um 'mix': "Temos de ser tão especialistas em tecnologia como em jornalismo", defendeu.

Maria Ressa e a equipa do Rappler estão atualmente a elaborar uma nova plataforma tecnológica, para a qual lançaram uma campanha de 'crowdfunding', "a maior já feita nas Filipinas", saudou.

Sobre as recentes eleições intercalares nas Filipinas, das quais poderá sair o reforço à institucionalização da promessa de Duterte em restaurar a pena de morte e em reformar a Constituição filipina, Ressa mostrou-se desapontada com os resultados preliminares.

"Pela primeira vez desde 1937, nenhum candidato da oposição obteve um assento no Senado", lamentou, referindo-se à contagem parcial e ainda não oficial dos resultados, cujo escrutínio já ronda os 98%.

"É um referendo à popularidade" de Duterte, um Presidente "muito popular" e "muito forte", que só pode ficar no poder se, tal como já prometeu, reformar a Constituição filipina.

Sem um assento da oposição no Senado, essa possibilidade tornar-se ia mais real, já que o Senado "foi o único órgão que desde a eleição de Duterte pôs um travão a algumas das iniciativas presidenciais mais controversas, como a pena de morte", lembrou.

Se Duterte consolidar o poder, Ressa só vê uma saída, a colaboração ativa entre jornalistas e ativistas para "proteger os direitos ainda garantidos pela Constituição".

"Ao olhar para os resultados, questiono os nossos valores. Demos luz verde a uma brutal guerra contra as drogas, que já matou, segundo a ONU, 270.000 filipinos desde julho de 2016" questionou.

"Queremos que os nossos filhos se tornem misóginos e sexistas? Porque é isso que o nosso Presidente faz", frisou, debruçando-se sobre o "enorme poder dos líderes" mundiais, dando o exemplo do Presidente norte-americano, Donald Trump, e da primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Arden.

Não obstante, Ressa apontou uma qualidade ao chefe de Estado filipino: a adesão às urnas em 2016.

Já na sessão de perguntas e respostas, Maria Ressa, que se tornou na Ásia e um pouco por todo o mundo um símbolo da liberdade de expressão e da luta contra as 'fake news', sublinhou que a "única arma" de um jornalista "é contar a verdade".

"Eu escrevo notícias. Não quero ser a notícia. Mas, ao mesmo tempo, quando os meus direitos são violados, isso dá-me força (...) e não queria que o facto de ser jornalista implicasse não erguer a minha voz", defendeu.

"Ainda podemos vencer esta batalha. Ainda podemos proteger a democracia", disse.

FST // PJA
PARTILHAR

Author: verified_user

Publicação luso-timorense sem fins lucrativos

0 comentários: